Ambientalistas protestam contra exoneração em APA

Na manhã de hoje cerca de 40 ambientalistas protestaram em frente à Assembleia Legislativa do Rio de Janeiro, no centro, contra a suposta exoneração de Breno Herrero, chefe da Área de Proteção Ambiental (APA) Guapimirim.

HELOISA ARUTH STURM, Agência Estado

05 Abril 2012 | 17h19

De acordo com os ambientalistas, a motivação para a possível exoneração seria política e econômica. Envolveria o projeto de construção de uma hidrovia na região para permitir o transporte de equipamentos pesados do porto do Rio até o pátio de obras do Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj). O empreendimento da Petrobras está sendo construído no município de Itaboraí, a 50 km da capital carioca.

Na semana passada, o chefe da APA foi comunicado pelo Instituto Chico Mendes de Conservação da Biodiversidade (ICMBio) da destituição do cargo, mas a comoção gerada pelo assunto nas redes sociais levou o órgão a recuar em sua decisão. "Recebemos com surpresa a notícia, pois a APA Guapimirim vinha sendo considerada como um modelo de atuação ambiental, e não foi apresentada nenhuma argumentação técnica justificando a exoneração", disse Herrero.

O projeto da hidrovia já havia sido vetado anteriormente pelo Ibama, pelo Inea (Instituto Estadual do Ambiente) e pelo conselho gestor da APA, por considerarem que a retificação dos rios para passagem de grandes embarcações provocaria considerável impacto ambiental na região.

A APA Guapimirim é uma unidade de conservação que protege os últimos remanescentes de manguezal da baía de Guanabara. Recentemente, a unidade rejeitou pela terceira vez o estudo apresentado pela petroleira, o que teria gerado a possível troca de chefia, segundo os manifestantes. Procurada, a Petrobras informou que não iria comentar o assunto.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.