Ameaçado de morte, autor de 'Gomorra' quer deixar Itália

Roberto Soviano, de 28 anos, vive com proteção policial armada 24 horas por dia

Da BBC Brasil, BBC

15 de outubro de 2008 | 08h57

O escritor italiano Roberto Saviano, autor do best-seller Gomorra, que denuncia a máfia napolitana, afirmou que quer deixar a Itália porque não agüenta mais viver com proteção armada.      Veja também:  Máfia italiana jura de morte o autor de 'Gomorra' até o Natal Procuradores investigam ameaça da máfia contra escritor italiano  Leia sobre o filme 'Gomorra no blog do Merten  O livro vendeu 1,2 milhão de cópias na Itália, foi traduzido para 42 línguas e sua adaptação para o cinema foi nomeada para concorrer ao Oscar.  O crítico de cinema do Estado Luiz Carlos Merten comenta  o filme em seu blog:  "Gomorra tem um lado Cidade de Deus, mostrando como opera a Camorra, a Máfia napolitana, recrutando jovens para atividades criminosas que incluem o controle das drogas e da indústria do vestuário clandestino, as imitações de grifes famosas". O autor do livro que inspira o filme afirma, em uma entrevista ao jornal italiano La Repubblica, ser uma "vítima do próprio sucesso". Desde o lançamento de Gomorra, em 2006, o autor, de 28 anos, vive com proteção policial armada durante 24 horas diariamente porque recebe ameaças da Camorra, como é conhecida a máfia napolitana. "Quero a minha vida de volta. Quero andar pelo sol e pela chuva, me apaixonar, beber uma cerveja em público, encontrar minha mãe sem que ela fique com medo", disse o escritor ao jornal. Acima de tudo, Soviano afirmou que quer continuar escrevendo e que, no momento, o único modo de fazer isso é deixar a Itália. Na terça-feira, os jornais italianos disseram que o clã mais notório da máfia local, o Casalesi, teria passado da ameaça de morte para a fase de operação do plano para assassinar o escritor. Segundo os jornais, a intenção seria matar o escritor antes do Natal.           BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.