América Latina busca saídas para crise em cúpula de Sauípe

O debate sobre as soluções para a crise econômica mundial dominou a abertura da cúpula dos países do Mercosul nesta terça-feira. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva, anfitrião da série de encontros de líderes da América Latina e do Caribe, defendeu um papel ativo da região para enfrentar a turbulência. Logo no início do discurso, Lula fez uma referência especial à presença do presidente de Cuba, Raúl Castro, que está no Brasil pela primeira vez, para participar das reuniões. "Uma crise como a atual exige transformações profundas na forma de decidir as grandes questões econômicas e políticas do mundo. É por isso que afirmei reiteradamente ter chegado a hora da política", disse Lula. "O Mercosul, juntamente com nossos amigos da América Latina e Caribe, não assistirá passivamente ao debate sobre a crise mundial. Teremos papel importante a jogar na construção de uma nova arquitetura política e econômica internacional multipolar e multilateral." Ainda nesta tarde os governantes participam da reunião da Cúpula da América Latina e do Caribe, a primeira realizada sem a presença dos Estados Unidos e da União Européia e com a participação de Cuba. Encontros da União das Nações Sul-Americanas (Unasul) e do Grupo do Rio também estão previstos até quarta-feira. Na reunião desta manhã do Mercosul estavam presentes cerca de 20 presidentes e chefes de Estado. A região reúne 33 países. Castro foi o primeiro a chegar à Costa do Sauípe, na noite de segunda-feira. Nesta manhã, na chegada à cúpula, Lula e Castro brincaram com a imprensa sobre uso de sapatos, em referência ao incidente com o presidente norte-americano, George W. Bush. Segundo o presidente cubano, a partir de agora não se deveria mais usar sapatos nesse tipo de evento. No discurso, Castro, que substituiu seu irmão Fidel na Presidência, classificou de injusto o sistema econômico que levou à crise. "Acompanhamos de perto os esforços do Mercosul para a integração. Mas, entre os obstáculos, estão os efeitos de uma ordem econômica internacional injusta e egoísta que favorece os países desenvolvidos e os interesses das grandes corporações internacionais. A crise econômica internacional atual é sua manifestação mais grave e verdadeira", disse Castro. O presidente do Equador, Rafael Corrêa, não deixou de demonstrar suas preocupações com o financiamento da economia. Defendeu a criação de um fundo de reservas regional e o prosseguimento das discussões sobre um Banco do Sul, já aprovado há cerca de um ano e ainda não implementado. Corrêa tenta suspender o pagamento ao Brasil de um empréstimo para a construção de uma hidrelétrica que apresentou defeito. "A crise não foi causada pelos emergentes, mas provavelmente teremos que pagar um alto custo por ela", criticou Correa. SEGURANÇA Com tantas autoridades, o balneário de Sauípe, que reúne um conjunto de hotéis de lazer à beira-mar a cerca de 100 quilômetros de Salvador, se transformou em fortaleza para abrigar as cúpulas. Soldados do Exército estão em toda parte, realizando várias atividades, inclusive algumas bizarras como orientar o trânsito ou mesmo policiar a areia da praia. Do mar, a vigilância é feita por um navio de guerra e, no amplo complexo, só se circula com o uso de crachás de identificação, atentamente checados pelos seguranças.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.