Americana descobre mãe biológica e estupro 50 anos após sua adoção

Mulher foi dada para adoção quando bebê por ser resultado de estupro em Irlanda conservadora dos anos 50.

BBC Brasil, BBC

29 de agosto de 2012 | 07h00

A busca de uma americana de 54 anos por sua família biológica chegou ao fim após 30 anos de buscas. Descobrir sua família, no entanto, não trouxe apenas alegrias para Martha Ogle, mas revelou também o motivo trágico por que foi dada à adoção. Sua mãe havia sido vítima de um estupro.

Em entrevista ao canal americano Toledo News Now (WTOL), Martha Ogle contou que foi adotada há 50 anos. Ela sempre soube da adoção, mas, três décadas atrás, passou a procurar informações sobre sua família. Desde então, sempre acreditou que fosse órfã. No ano passado, no entanto, ela descobriu que sua mãe ainda estava viva.

Martha soube então que foi concebida em um estupro sofrido por sua mãe, que vivia na Irlanda.

Martha disse que, durante suas décadas de busca, tinha como pista apenas sua certidão de nascimento irlandesa. Ela sabia ter nascido em um local chamado St. Patrick's Home.

Após identificar sua mãe, que morava em Londres, ela entrou em contatou por telefone no ano passado.

"Liguei e perguntei: 'é Mary Domegan?' Ela disse que sim, e eu falei: 'nasci em 10 de julho de 1958 e acho que você é minha mãe'", disse Ogle.

"Ela ficou histérica e eu também", contou.

Drama irlandês

À emissora americana, ela disse que a alegria inicial se transformou em raiva ao descobrir o que causara sua adoção.

"Foi catastrófico. Fui fazer terapia por um tempo por estar arrasada. Achava que este seria um momento maravilhoso e que eu tinha uma mãe maravilhosa que apenas havia engravidado muito nova", disse ela.

Segundo a emissora americana, Ogle foi uma das quase 2 mil crianças irlandesas adotadas secretamente por famílias americanas.

A WTOL cita o livro do repórter investigativo Mike Milotte, "Banished Babies" (Bebês Expulsos, em tradução livre), que afirma que "nos anos 1950 e 1960 a Irlanda era um país profundamente conservador e muito ligado à Igreja Católica".

"Mulheres solteiras que engravidavam, a despeito das circunstâncias da gestação, geralmente eram enviadas a conventos para dar à luz. As mulheres não tinham a opção de ficar com os bebês e, geralmente, cuidavam deles até que uma família fosse encontrada", afirma Milotte.

Futuro

Em maio, Martha foi a Londres conhecer sua família, e a irmã Mônica Tomlins acaba de viajar para Ohio, nos EUA, para passar duas semanas com a parente recém-descoberta.

Ela disse que descobrir a existência da irmã foi uma enorme surpresa. "Era a última coisa que eu esperava", afirmou Tomlins.

As duas planejam assistir a um jogo de basebol local e visitar o hall da fama do Rock'n Roll em Ohio.

"Temos duas semanas para passar juntas, faremos o possível para recuperar 50 anos. Vamos fazer coisas que nunca tivemos a chance de fazer", disse Martha. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
alsoeuaestupromae biologicaadoção

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.