Americana é a 1ª pessoa sem braços a receber brevê de piloto

Nascida sem braços, Jessica Cox se adaptou para usar os pés para tarefas do dia-a-dia.

Da BBC Brasil, BBC

11 Dezembro 2008 | 09h57

Nascida sem os braços por conta de um defeito genético, a americana Jessica Cox vem ganhando popularidade nos Estados Unidos como exemplo de superação ao se tornar a primeira pessoa a dirigir um avião somente com os pés e conseguir uma licença de piloto de avião esportivo. Aos 25 anos e formada em psicologia, Jessica trabalha com palestras motivacionais, nas quais sua história é contada como forma de incentivar a superação de obstáculos. A aparente limitação física não a impede de levar uma vida normal. Desde a infância, Jessica aprendeu a usar os pés para realizar tarefas do dia-a-dia como escovar o cabelo, usar o computador, colocar lentes de contato, preparar uma refeição ou falar ao telefone. Jessica também aprendeu a dirigir usando os pés e conseguiu uma carteira de motorista sem restrições, usando um carro comum, sem adaptações. Sem limites Ela diz não ver limites pessoais e nunca pensar "não posso". "Eu somente digo 'Ainda não consegui'", afirma. Segundo Jessica, essa lista de coisas 'a conseguir' inclui, entre outras coisas, uma escalada de montanha e fazer um rabo-de-cavalo. "Sempre tenho problemas com aqueles elásticos de cabelo", comenta. "Nasci assim, então somente aprendi a me adaptar", conta. Entre as conquistas de Jessica está uma faixa-preta de Tae Kwon-Do. Ela diz, porém, que seu maior triunfo na vida vai além de seus feitos físicos. Para ela, seu maior feito é sua auto-estima e seu grau de auto-aceitação, que dá a ela "liberdade e poder para insistir que a sociedade me aceite como sou". "Quando eu nasci, meus pais ficaram chocados, mas nunca deixaram que eu me sentisse diferente. Outras pessoas sempre me olharam e fizeram comentários, mas eu consegui transformar os sentidos negativos em algo positivo." Medo superado Para conseguir realizar o feito de pilotar sozinha um avião, Jessica teve que superar, além da limitação física, seu medo de voar. Até que, há três anos, ela teve a oportunidade de dirigir um avião pela primeira vez, acompanhada de um instrutor ligado à organização não-governamental Wright Flight, que promove programas motivacionais com base na aviação. Após três anos e 89 horas de pilotagem em uma aeronave Ercoupe, que exige um controle somente com as duas mãos - ou os dois pés, no caso de Jessica -, ela finalmente conseguiu sua licença de piloto em outubro deste ano. Em suas palestras, Jessica procura mostrar às outras pessoas que a auto-confiança é a principal arma para superar as adversidades. "Muitas pessoas ditas normais sofrem de uma deficiência verdadeira - uma falta de confiança em si mesmos. Espero que minha história os ajude a atingir todo o seu potencial", afirma. "Quero que as outras pessoas digam: 'Se ela pode fazer tanta coisa sem os braços, eu posso fazer muito mais com minha vida'." BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.