Americano de origem coreana

Em uma viagem à Coreia do Sul, em 2004, o americano Scott Kim, presidente da Black Garlic, experimentou um alho fermentado, mas que mantinha o gosto forte do alho comum. De volta aos Estados Unidos ele tentou fazer o seu. Manteve o processo básico de fermentação, mas criou e patenteou uma máquina capaz de regular a temperatura e umidade. A experiência deu certo e em 2007 a Black Garlic começou a comercializar o produto. Para torná-lo conhecido, a empresa distribuiu amostras para chefs nos Estados Unidos e Europa. A ideia deu certo e hoje a empresa fornece para vários restaurantes. Nos Estados Unidos, 100g custam cerca de US$ 10. Bem que tentamos desvendar todos os segredos do processo de fabricação, mas em entrevista, Brian Han, diretor da Black Garlic, explicou sem explicar: "Quem conhece os processos de fermentação pode tentar fazer em casa, mas isso não quer dizer que vá ficar igual. É como vinho. Qualquer pessoa pode fazer. Mas não fica parecido com o vinho feito com técnica e experiência."Veja também:Alho negro Cadê o ardido que estava aqui? O dente de alho que foi parar na sobremesa No Brasil, alho negro por enquanto só em pasta  Receita de linguine ao alho negro com camarão crocante  Receita de bacalhau assado, polenta mantecata, cogumelos eringi e alho negro

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.