Amiga diz que cineasta não comentava doença do filho

A diretora de teatro Bia Lessa, amiga de 30 anos do cineasta Eduardo Coutinho, disse há pouco, no velório, que ele mantinha a vida familiar e a profissional separadas, e não comentava os problemas mentais do filho Daniel. "Ele era um resistente, um alicerce. Não questionava essa situação, apenas aceitava", afirmou.

ROBERTA PENNAFORT, Agência Estado

03 de fevereiro de 2014 | 14h38

Daniel assassinou o pai a facadas neste domingo, 2. O enterro será às 16 horas, no cemitério São João Batista, onde o corpo está sendo velado.

Bia Lessa lembrou que Coutinho tinha a saúde frágil por conta dos muitos anos de tabagismo.

"Era precário, mas também uma pessoa vital. Os médicos diziam que se ele não parasse de fumar, morreria, e ele não parava. Ano passado foi internado, mas estava melhor", disse.

Tudo o que sabemos sobre:
homicídioEduardo Coutinho

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.