Amorim e Kirk trocam farpas em reunião na OMC

Chanceler brasileiro muda discurso para responder ao colega dos EUA que pede mais abertura de emergentes

Jamil Chade, GENEBRA, O Estadao de S.Paulo

01 Dezembro 2009 | 00h00

Os Estados Unidos cobraram de Brasil, Índia e China maior responsabilidade no cenário internacional e a abertura de seus mercados. Caso contrário, simplesmente não haveria conclusão da Rodada Doha. O chanceler Celso Amorim não deixou barato e, em um discurso feito em resposta aos americanos, insistiu que seria "irracional" pedir maior liberalização dos emergentes.

O confronto ocorreu ontem em Genebra na abertura da conferência ministerial da Organização Mundial do Comércio (OMC). Ainda que esvaziada e sem nenhuma decisão a ser tomada, o evento já se transformou em palco de acusações entre países ricos e emergentes.

A OMC alertou que a conferência ocorre exatamente no pior ano para o comércio em sete décadas. Nos diversos discursos, o tom de todos os ministros era sombrio.

O primeiro a lançar o debate foi o representante de Comércio dos EUA, Ron Kirk. Os americanos são acusados de serem os responsáveis pelo impasse nas negociações comerciais, lançadas em 2001.

Ontem, Kirk deixou claro que não vai recuar e continuará pedindo maior abertura dos países emergentes para que possa fazer concessões. "Estamos comprometidos em ter um acordo e acho que ele pode sair em 2010. Mas é a substância que vai determinar", alertou Kirk.

Para o americano, o sucesso ou fracasso da rodada não depende apenas de um país. "A decisão é mais ampla. Cada um tem sua responsabilidade. Os países ricos vão continuar a ter seu papel. Mas os emergentes têm um papel cada vez maior."

Para ele, é a abertura "de alguns mercados-chave" que será fundamental para que haja um acordo. "De nossa parte, estão prontos para o jogo final (na rodada). Mas precisa haver uma abertura significativa (dos países emergentes)."

Amorim, que tinha um discurso preparado, decidiu modificá-lo e preparar de última hora uma resposta a Kirk. Seu recado foi também claro: não há como pensar em uma nova abertura por parte dos emergentes.

O chanceler insiste que, pelo acordo que está sobre a mesa, o corte de tarifas nos países ricos seria menor que o dos emergentes."Seria irracional esperar que concluir a rodada daria concessões adicionais unilaterais por parte dos países em desenvolvimento."

O ministro de Comércio da China, Chen Deming, também deixou claro que não aceita uma modificação na agenda da OMC. Ontem, um grupo de mais de cem países em desenvolvimento declarou que não aceitará um resultado que favoreça aos países ricos. Mas que está pronta para negociar.

Para Amorim, a entidade vive uma "crise de paralisia". "Quanto mais tempo levarmos para superar os problemas, maior será o impacto em termos de estagnação econômica." O chanceler ainda apontou que a crise continua sendo uma ameaça e que o protecionismo pode ser um obstáculo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.