Análise demorada

Sou correntista do Banco Nossa Caixa. Recentemente, houve quatro movimentações não identificadas em minha conta pela internet, em que foram sacados R$ 600, parte da poupança, parte da conta corrente.

, O Estadao de S.Paulo

26 de novembro de 2009 | 00h00

A última movimentação foi em 14 de outubro, dia em que foi feito pagamento de boleto e minha conta foi zerada. Ao perceber, entrei em contato com a minha agência e, após 10 dias de cansativa espera sem resposta, com o setor de apoio ao cliente. Cinco dias úteis depois, em 3 de novembro, um funcionário informou que o banco estava investigando e que, quando tivesse uma resposta, entraria em contato comigo, sem data definida. Liguei imediatamente para a Ouvidoria do banco, que, após abrir minha reclamação, disse que no máximo em 30 dias me daria um parecer. Argumentei que não posso esperar mais 30 dias (50 dias no total), pois minha conta está zerada, incluindo meu limite do cheque especial. A resposta foi "sinto muito, senhora, este é o procedimento". Resolvi recorrer à mídia para expressar minha indignação, pois me sinto completamente desprotegida.

VALDETE JULIO DE C. CASTELHANO

São Paulo

A Assessoria de Imprensa do Banco Nossa Caixa diz que o banco lamenta o ocorrido e informa que os valores reclamados pela sra. Valdete foram estornados na sua conta corrente no dia 23 de novembro.

Na mesma data, a agência em que ela tem conta lhe prestou os devidos esclarecimentos e a informou sobre a medida tomada. O banco se coloca à disposição para novos esclarecimentos, sempre que se

tornar necessário, pelo telefone: 0800-722-1518.

Perigo na Régis

Houve mais mortes na Rodovia Régis Bittencourt no trecho a ser duplicado pela Concessionária OHL, na Serra do Cafezal. Como está o andamento da obra, qual é o prazo para seu término? No trajeto, que eu faço com regularidade, não há nenhum indício de que será feita a duplicação, embora os pedágios continuem a ser cobrados a todo vapor. O trecho é perigoso. Há graves acidentes e atrasos toda semana.

FÁBIO MORGANTI

São Paulo

Jodely Muniz Dias, da Assessoria de Imprensa da Autopista Régis Bittencourt do Grupo OHL, informa que a empresa administra essa rodovia por meio de um contrato de concessão, no qual estão estabelecidas suas responsabilidades, fiscalizadas pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT). Diz que a obra da Serra do Cafezal consta como obrigação contratual para ser feita até 2013. E que, antes de iniciá-la, é necessário obter licença ambiental, ter aprovação do projeto executivo pela ANTT e o Decreto de Declaração de Utilidade Pública pelo governo federal, para desapropriação das áreas a serem ocupadas. Esclarece que a concessionária está preparada para iniciar a duplicação assim que essas etapas forem atendidas.

Regras para doação

Sou doador de sangue há anos. No dia 25/4 doei no Hospital do Servidor Público Estadual e, em 6/9, na Fundação Pró-Sangue. Em 15/10 recebi uma carta da Pró-Sangue para fazer novo teste. A médica disse ter constatado Hepatite C no primeiro exame, e que, na contra prova, deu negativo. Ela explicou que o primeiro exame foi um falso-positivo, mas, mesmo assim, não poderia mais fazer doações na fundação. Sinto-me injustiçado. É como se fosse acusado de um crime. É muito burocrático e desumano essa decisão, pois impede pessoas sãs de doarem, em detrimento da vida daqueles que precisam.

VALDIR ADAMO ZARA

São Paulo

A Fundação Pró-Sangue esclarece que está amparada pela Resolução RDC n.º 153, de 14/6/2004, do Ministério da Saúde, quanto ao impedimento para doação do sr. Zara. Diz que a Ouvidoria recebeu a queixa no dia 9 e a respondeu prontamente.

O leitor diz: Não posso me conformar com a resposta da fundação. Causou-me um enorme transtorno emocional achar ser portador de uma doença grave. Fiz exames no Hospital do Servidor Público Estadual e o resultado também foi negativo.

Investimentos expressivos

Caro prefeito, assim que forem distribuídos os carnês de IPTU, com aumentos de até 40%, o senhor estará apto a informar a cada cidadão da cidade qual foram os "investimentos expressivos" feitos em seu bairro? Posso lhe garantir que, se o valor do IPTU das residências do bairro do Pacaembu apresentar alguma diferença, deverá ser para menos, pois só tivemos aumento exagerado da criminalidade!

VICTOR GERMANO PEREIRA

São Paulo

As cartas devem ser enviadas para spreclama.estado@grupoestado.com.br, pelo fax 3856-2940 ou para Av. Engenheiro Caetano Álvares, 55, 6.º andar, CEP 02598-900, com nome, endereço, RG e telefone, e podem ser resumidas. Cartas sem esses dados serão desconsideradas. Respostas não publicadas são enviadas diretamente aos leitores.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.