Análise: Ralph Nader muda corrida presidencial nos EUA

Mesmo que não influencie resultado, entrada do liberal muda embate de idéias.

Kevin Connolly, BBC

24 Fevereiro 2008 | 18h40

O anúncio de Ralph Nader de que ele vai se candidatar à Presidência novamente em 2008 proporcionou a surpresa talvez menos surpreendente da campanha até o momento.Nader desempenhou algum papel em todas as eleições para a Casa Branca desde 1992, embora o seu currículo na vida pública seja ainda mais longo. Como comentarista e ativista político, Nader vem sendo figura influente na política americana nos últimos 40 anos - o algoz da ganância empresarial e do desperdício dos investimentos em defesa e o defensor dos direitos do consumidor e da necessidade de proteger o meio ambiente.No entanto, se a medida do sucesso da vida pública dele forem as urnas, não se pode considerá-lo muito bem-sucedido. Nader conquistou 2,74% dos votos em 2000, por exemplo. Mesmo assim, os seus simpatizantes dizem que ele é o tipo de visionário cujas idéias podem ser lançadas às margens do debate político e acabar chegando ao centro. Bush e GoreBasta ver como todos os políticos considerados sérios são obrigados hoje a falar sobre meio ambiente, argumentam.Hoje, Nader é mais lembrado por seu papel central na briga pela eleição de 2000 entre George W. Bush e Al Gore, que até hoje irrita alguns democratas. O pleito estava virtualmente empatado entre os dois principais candidatos, e o Estado da Flórida se transformou no campo de batalha pelo desempate. Depois de diversas ações judiciais, a vitória foi para Bush. Democratas destacam que a diferença entre Bush e Al Gore foi de algumas centenas de votos, enquanto quase 100 mil pessoas votaram em Nader. Para os democratas, estes eleitores teriam claramente votado em Gore, caso Nader não tivesse se candidatado e por isso o acusam de ter entregado a Presidência a George W. Bush. Nader e seus simpatizantes não aceitam o argumento e é evidente que na democracia americana os eleitores podem votar nos candidatos de sua escolha, mas não há dúvidas de que a candidatura dele em 2008 vai levantar mais uma vez a questão de como disputas acirradas entre democratas e republicanos podem acabar sendo influenciadas por candidatos de um terceiro partido.PerotEstes candidatos podem ter um impacto real de duas formas: primeiramente, como o milionário Ross Perot, em 1992, podem simplesmente atrair um grande número de votos. Em segundo lugar, como Nader na Flórida em 2000, podem atrair votos em uma corrida de equilíbrio frágil e dessa forma influenciar o resultado. Parece ser razoável prever, baseado no histórico de Nader, que ele não deve conseguir nem chegar perto dos 19% dos votos conquistados por Perot, ou seja, qualquer influência que ele venha a ter neste ano vai depender de quão disputada a competição esteja.O primeiro pré-candidato a comentar a candidatura de Nader foi Barack Obama, que não pareceu abalado com a perspectiva de enfrentá-lo, acrescentando que o trabalho de um candidato democrata é ser tão convincente que a perspectiva de uma pequena porcentagem ser desviada para outro candidato não faça diferença no resultado final.Do ponto de vista do embate de idéias, a simples presença do radicalismo voltado ao consumidor e ao meio ambiente representado por Nader garante que novos temas venham à tona mais uma vez.Mesmo que não faça diferença no resultado final, o candidato que agora substitui John McCain como o mais velho na corrida eleitoral vai pelo menos fazê-la mais interessante do ponto de vista político. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.