Sergio Castro/Estadão
Sergio Castro/Estadão

Aneel já foi notificada de interrupção das obras do linhão de Belo Monte

A espanhola Abengoa, responsável pela obra, entrou com pedido de pré-recuperação judicial; uma das possibilidades previstas em contrato é a intervenção na concessão

Fernando Nakagawa, correspondente, O Estado de S.Paulo

30 Novembro 2015 | 16h12

LONDRES - A Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) já foi comunicada oficialmente sobre a interrupção das obras da Abengoa no Brasil. Por enquanto, porém, nenhuma medida foi tomada pelo órgão. Em Madri, a direção da Abengoa não nega as demissões no Brasil e diz apenas "que há reestruturação para preservar o negócio" na América Latina.

"A fiscalização da Agência já teve conhecimento do ocorrido e haverá uma reunião essa semana com representantes da Abengoa", informou a Aneel em nota ao Broadcast, serviço de informações em tempo real da Agência Estado

Uma das possibilidades previstas em contrato é a intervenção na concessão. Segundo o contrato do linhão entre Tocantins e Bahia, "a Aneel poderá intervir na concessão a qualquer tempo para assegurar a prestação adequada do serviço público de transmissão". Nesse caso, a agência tem poderes para designar um interventor, o prazo, os objetivos e limites de uma intervenção.

Em Madri, a direção da Abengoa nega que os negócios no Brasil serão encerrados. "Não é certo que a Abengoa está fechando as filiais latino-americanas", informou um porta-voz da companhia. "Atualmente, estamos imersos em um processo de reestruturação para preservar o negócio da companhia com o objetivo de negociar com os credores financeiros tudo o que uma reestruturação implica", informa a companhia.

Na América Latina, porém, as perspectivas não são alvissareiras. No México, a filial da espanhola já avisou ao mercado que poderá dar o calote em breve. "O perfil de crédito da Abengoa México foi afetado de maneira importante pela necessidade de recursos da Abengoa Espanha. A tesouraria centralizada concentra todos os recursos líquidos das empresas subsidiárias. Como consequência, a sociedade possivelmente descumprirá as próximas obrigações de pagamento, tanto de juros como de principal", informou a empresa no México. 

Mais conteúdo sobre:
AneelBelo Monteeconomia

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.