Anistia pede que Irã acabe com morte por apedrejamento

Defensores da punição alegam que ela está prevista no livro sagrado dos muçulmanos.

Jon Leyne, BBC

15 de janeiro de 2008 | 08h15

A organização de defesa dos direitos humanos Anistia Internacional pediu ao Irã a abolição da pena de morte por apedrejamento.Em um relatório divulgado nesta terça-feira, a organização descreve o apedrejamento como uma prática "horrenda", formulada especificamente para aumentar o sofrimento da vítima.De acordo com a Anistia Internacional, o Irã é o único país do mundo onde a morte por apedrejamento é prevista em lei e ainda praticada.As vítimas são enterradas até o peito ou o pescoço, e têm pedras atiradas sobre elas.As leis iranianas estipulam que as pedras não podem ser nem pequenas demais, nem excessivamente grandes para que a vítima não seja morta imediatamente.Nos últimos cinco anos, juízes em Teerã vem tentando proibir a prática, mas um homem condenado por adultério foi executado dessa forma em uma província remota no ano passado.De acordo com a Anistia Internacional, mais cinco mulheres e dois homens enfrentam a mesma punição.Nenhuma resposta oficial sobre o pedido da Anistia Internacional foi divulgada, mas defensores da punição alegam que ela está prevista no Alcorão, o livro sagrado dos muçulmanos, e só é imposta em casos extremamente raros.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.