Annan anuncia pacto entre governo e oposição no Quênia

Acordo teria sido firmado depois de reunião com presidente e oposição.

Da BBC Brasil, BBC

28 Fevereiro 2008 | 11h20

Depois de uma reunião de quatro horas em Nairóbi, no Quênia, o ex-secretário-geral da ONU, Kofi Annan, afirmou nesta quinta-feira que foi fechado um acordo para a divisão de poder no país.Também participaram da reunião o presidente Mwai Kibaki e o líder de oposição Raila Odinga.Em uma declaração a correspondentes em Nairóbi, Annan afirmou que foi firmado o acordo para a formação de uma coalizão de governo e os partidos devem se reunir em breve para assinar o documento."Tivermos um dia muito construtivo. Chegamos a um entendimento a respeito do acordo para a coalizão e vamos nos reunir novamente às 16h (horário local). Naquele momento estaremos prontos para assinar um documento e falar um pouco mais sobre o acordo e sobre o que aconteceu na manhã de hoje (quinta-feira)", afirmou.Annan, que está mediando as negociações, não deu mais detalhes sobre o acordo firmado.A atual crise no Quênia teve início depois das eleições de dezembro. A oposição, liderada por Raila Odinga, afirma que o pleito, que elegeu o presidente Mwai Kibaki, foi fraudulento.A polícia queniana afirma que, desde o início da crise em dezembro, cerca de 1.500 pessoas foram mortas.SuspensãoNa terça-feira Kofi Annan chegou a anunciar a suspensão das negociações no Quênia, depois de 48 horas de impasse.Na semana passada, os dois lados tinham concordado com a criação do posto de primeiro-ministro, que poderia ser ocupado por Raila Odinga, o que elevou as esperanças de um acordo final em breve.Mas governo e oposição ainda não tinham determinado quais seriam os poderes do primeiro-ministro.Os Estados Unidos e a União Européia pediram que o governo do Quênia e a oposição encontrem uma solução para a crise, que já dura seis semanas.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.