Anônimo do Twitter acusa PMs de desvios

Perfil Boca de Sabão foi criado por grupo que inclui oficiais e praças

Clarissa Thomé, O Estadao de S.Paulo

28 de novembro de 2009 | 00h00

Um perfil anônimo na rede social Twitter está provocando polêmica na Polícia Militar fluminense. Batizado com o sugestivo nome Boca de Sabão - fofoqueiro, na gíria policial -, o microblog se destina, principalmente, a apontar desvios de conduta cometidos por PMs. O suposto envolvimento de oficiais e praças com milícia, jogo do bicho, bingo e o recebimento de propinas aparecem no exíguo espaço de 140 caracteres, como é a regra do site.

Em seis meses de atuação, o Boca de Sabão arregimentou 1.200 seguidores - inclusive o Escritório das Nações Unidas para Crime e Drogas -, postou mais de 2 mil mensagens e provocou reações indignadas, como a do chefe do Estado Maior da PM, coronel Álvaro Garcia, que chamou de "covardes" blogueiros que "tentam macular" a imagem da PM.

O Boca foi fundado por um grupo de oficiais, praças e "pessoas interessadas em segurança pública", segundo um dos criadores do microblog em conversa com o Estado por um sistema de mensagens instantâneas. "Desde o primeiro momento nosso foco era denunciar irregularidades, sejam elas administrativas ou de responsabilidade (incompetência)."

O e-mail denunciasproboca@gmail.com recebe cerca de dez mensagens por dia. Dessas, três são publicadas, depois de passar por uma espécie de checagem. Os criadores do perfil também são irreverentes: criaram o prêmio Ray Charles para o comandante "mais cegueta", ou seja, que não enxerga a corrupção em seu batalhão.

"O que há é uma corrupção institucionalizada, que vem desde o comandante do batalhão até o soldado na rua. Não são todos, mas o fato de os comandantes se envolverem contamina indiretamente o trabalho até dos policiais honestos, que são muitos", afirma o criador do blog. "A corrupção na PM é simples, pois ironicamente segue os pilares de hierarquia e disciplina - um comandante honesto, só pela sua atitude, ou até sua fama, já dissuade bastante a corrupção em um batalhão."

O grupo já recebeu ameaças de morte pelo Twitter. Para garantir a segurança e escapar de punições dos superiores, posta as mensagens por telefone celular, para evitar ser rastreado. "Soubemos por fontes que trabalham dentro do quartel general que há uma caçada, sim, para nos identificar. Em verdade, não temos como saber se há algum procedimento de apuração aberto contra nós, porque pode estar correndo em sigilo."

O comandante geral da Polícia Militar, coronel Mário Sérgio Duarte, informou que a corregedoria da corporação não investiga nenhuma das denúncias feitas pelo perfil Boca de Sabão no Twitter. "A corregedoria realiza um sério trabalho de investigação sobre denúncias contra policiais, mas o denuncismo não fundamentado do perfil o invalida como fonte." Duarte informou ainda que o perfil também não está sob investigação.

O consultor de segurança Rodrigo Pimentel, ex-capitão do Batalhão de Operações Especiais (Bope) e um dos roteiristas do filme Tropa de Elite, acha a iniciativa do Boca de Sabão válida, apesar de sofrer ataques dos criadores do microblog e criticar o anonimato do grupo. "É importante expor a corrupção policial. Há denúncias que fazem sentido e precisam ser investigadas. Eles já vinham falando da atuação do major Dilo (Dilo Pereira Soares) e o capitão Epaminondas (Epaminondas de Queiroz Medeiros) à frente da milícia de Rio das Pedras", afirmou Pimentel, a respeito de policiais que tiveram a prisão decretada nesta semana e estão foragidos.

Ele alerta, no entanto, para o fato de o perfil estar sendo usado na disputa de poder na PM. "É consenso hoje que o coronel Mário Sérgio Duarte é um oficial com histórico de honestidade e com competência para ficar à frente da Polícia Militar. Não faz sentido que seja atacado, a não ser que seja uma estratégia para desestabilizá-lo."

O coronel Paulo Ricardo Paúl, ex-corregedor da PM, também acredita em uso político do microblog. "A Polícia Militar está em processo de autofagia", afirmou. Mas ele defende a apuração de todas as denúncias. "O Estado aceita denúncia anônima pelo Disque-Denúncia. Como a PM toma conhecimento de um fato por Twitter ou blog e não apura? Tem de investigar, e tem de reforçar a corregedoria para dar conta do volume de informação."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.