Antílopes tibetanos se recuperam após ameaça de extinção

A população de antílopes tibetanos, um dos animais em maior perigo de extinção no Himalaia, recuperou-se nos últimos 20 anos, passando de cerca de 70 mil indivíduos para 150 mil, diz um estudo sobre meio ambiente divulgado nesta sexta-feira.Durante 18 anos, analistas do Instituto de Pesquisa Florestal do Tibet recontaram a população do animal, que vive numa altitude superior a 4 mil metros e foi vítima, durante décadas, da caça ilegal, informou a agência oficial Xinhua.De uma população estimada em 10 milhões no início do século 20, passou-se para entre 50 mil e 70 mil nos anos 80, embora a tendência descendente pareça ter se invertido nos últimos anos graças a programas de proteção e ao combate à caça ilegal.Segundo os analistas, a população destes antílopes, também chamados de chiru, aumentou em um ritmo anual de 7,9% nos últimos seis anos.O animal foi vítima da caça ilegal porque seu pêlo é muito apreciado, por exemplo, para a confecção de um tipo de xale chamado shahtoosh, que chega a custar US$ 10 mil no mercado negro da China, da Índia e de outros países da região.O pêlo destes animais é cinco vezes mais fino que o cabelo humano, mais fino inclusive que a lã da vizinha região da Caxemira.As manadas de chiru podem ser admiradas em viagens no novo trem ao Tibet, inaugurado no último dia 1º. A ferrovia atravessa a reserva natural de Hoh Xil, criada com o intuito de tentar evitar a extinção do antílope.A ferrovia tem 33 elevações e túneis, já que está no meio da rota migratória que as fêmeas do antílope tibetano seguem todo verão, quando cruzam de um lado a outro a reserva de Hoh Xil para buscar um lugar adequado onde dar à luz.O chiru é um dos cinco animais de estimação dos Jogos Olímpicos de Pequim 2008, de cor amarela e com adornos que imitam os da cultura tibetana.Entre os principais animais da China em perigo de extinção estão o urso panda gigante, o tigre, o golfinho do Yang Tsé, o íbis, o macaco dourado, o elefante, o gibão, o grou e o faisão selvagem.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.