Antonio Candido dá aula em apoio à greve da USP

Alunos, funcionários e docentes da USP tiveram ontem pela manhã uma ?aula? em apoio à greve na universidade de dois intelectuais renomados da instituição, a filósofa Marilena Chauí e o crítico literário Antonio Candido. No auditório lotado da Faculdade de Filosofia, Letras e Ciências Humanas (FFLCH) - do lado de fora havia um telão, para que mais pessoas pudessem acompanhar os discursos -, ambos condenaram a presença da Polícia Militar no câmpus.

AE, Agencia Estado

17 Junho 2009 | 08h39

?A ação imediata é apenas um episódio, o importante são as redefinições a partir disso?, disse Antonio Candido. ?Atuem, exagerem, sejam justos e injustos. Aproximem a faculdade da realidade social. Essa é uma luta constante, para transformar a sociedade.? A greve começou no dia 5 de maio e reivindica aumento de 16%, a não implementação de cursos a distância e a saída da reitora. A polícia confrontou-se com estudantes no dia 9 de junho e seis pessoas saíram feridas.

Ontem, alunos em greve da USP invadiram o único restaurante em esquema de ?bandejão? que ainda funcionava na instituição e interromperam o trabalho dos funcionários. A catraca foi liberada e quem estava na fila pôde comer de graça, mas não foi permitida a entrada de outros estudantes depois da invasão. A comida que acabava também não era reposta e, em determinado momento, havia alunos comendo arroz e farofa.

O Conselho de Reitores das Universidades Estaduais de São Paulo e o Fórum das Seis (sindicatos de professores e funcionários de USP, Unicamp e Unesp) reuniram-se ontem. Segundo Carlos Magno, do Sindicato dos Funcionários da USP, a reunião serviu para as partes explicitarem as condições para a negociação. ?A reitoria disse que só tira a PM do câmpus se nós retirarmos o piquete, mas reafirmamos que o piquete é uma arma histórica dos trabalhadores?, disse. Nova reunião ocorre na segunda-feira. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
greveUSP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.