Anunciada prisão de 4 suspeitos de traficar arma em MG

A Polícia Civil mineira e o Ministério Público Estadual (MPE) apresentaram hoje, em Belo Horizonte, quatro suspeitos de integrar uma quadrilha internacional de tráfico de armas, como resultado da chamada "Operação Paraguai". De acordo com estimativa da polícia, a quadrilha, nos últimos dois anos, vendeu pelo menos 300 armas de grosso calibre para traficantes de drogas da capital e interior de Minas.Os suspeitos - Olívio Caetano de Oliveira, Ronaldo dos Santos Oliveira, Wanderson Alves da Silva e André Evaristo de Paula - foram presos na noite da última quinta-feira, no estacionamento de um shopping de Belo Horizonte. Com eles foram apreendidas cerca de 23 mil munições, pistolas automáticas, espingardas e rifles. Parte do arsenal estava em uma caminhonete, que também foi apreendida. Os policiais recolheram também R$ 5,7 mil em dinheiro "Essas armas estavam sendo distribuídas para o tráfico em Minas Gerais", disse o delegado Antônio Carlos de Faria. Nos últimos dois meses, o MPE e as delegacias especializadas de Operações Especiais (Deoesp) e de Repressão à Organização Criminosa (Deroc) investigaram a organização criminosa. Armas eram contrabandeadas de países da Europa, como Alemanha e Itália, além de Israel, e entravam no Brasil escondidas em barcos que saíam do Paraguai e atravessavam a fronteira. De Foz do Iguaçu (PR), o arsenal era transportado em fundos falsos de caminhões de carga até Minas Gerais. Dois paraguaios apontados como integrantes da quadrilha, identificados apenas por Simbad e Renato, permanecem foragidos. Os suspeitos presos foram autuados em flagrante por comércio ilegal de armas e formação de quadrilha, com pena de até dez anos de prisão.

EDUARDO KATTAH, Agencia Estado

08 de outubro de 2007 | 20h12

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.