Andre Dusek/AE–25/5/2010
Andre Dusek/AE–25/5/2010

Anvisa autua duas empresas por vender agrotóxico vencido

Basf e Servatis são processadas; Vigilância Sanitária diz ter identificado reprocessamento de 113 mil litros de defensivo

Lígia Formenti / BRASÍLIA, O Estado de S.Paulo

17 de agosto de 2011 | 00h00

A Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) autuou na semana passada as empresas Basf e Servatis por participarem de uma operação para reintroduzir no mercado, supostamente sem controle, agrotóxicos vencidos ou próximos da data de vencimento. A agência diz que identificou o "reprocessamento" de pelo menos 113 mil litros do defensivo Opera. O material, estimado em R$ 7,7 milhões, já estaria em postos de venda.

As duas empresas autuadas responderão a um processo administrativo sanitário. Elas estão sujeitas ao pagamento de multas que variam de R$ 2 mil a R$ 1,5 milhão. A Basf e a Servatis têm 15 dias para apresentar a defesa. Usado principalmente na cultura da soja, o Opera é um dos principais produtos da Basf, uma das líderes do mercado de agrotóxicos.

O reprocessamento foi identificado em uma fiscalização de rotina há duas semanas na Servatis, em Resende (RJ). Foi constatado que a Basf encaminhava à Servatis o material vencido para reprocessá-lo.

A empresa contratada era encarregada de tirar o produto das embalagens e colocá-lo em um tanque, onde seria submetido a um processo semelhante à centrifugação. Depois, o material era novamente embalado, com novos números de lote, novas datas de fabricação e de validade. Nessa prática, podiam ser usados vários lotes do produto.

Na Servatis, a Anvisa apreendeu documentos em que a Basf fazia recomendações detalhadas sobre a "operação de desenvase", processo considerado pela empresa como de rotina e dentro da lei. O documento pedia que o procedimento fosse mantido sob sigilo. Para garantir a confidencialidade, a Basf recomendava que a Servatis obrigasse "seus empregados à dissimulação, dentro das possibilidades legais, mesmo para o tempo depois de ter deixado a empresa".

Diante do material encontrado, a Anvisa estendeu a fiscalização ao complexo industrial da Basf, em Guaratinguetá (SP).

"Essa é uma demonstração de total desrespeito às leis do País, à saúde dos consumidores e ao meio ambiente", afirmou o diretor da Anvisa, Agenor Álvares da Silva. Segundo a Anvisa, a Basf colocou 14 lotes do agrotóxico Opera "reprocessados" sem nenhum tipo de avaliação prévia. Não havia garantias de que o produto reprocessado mantinha as qualidades do material original ou laudos comprovando que o agrotóxico poderia ser usado sem risco até a nova data de validade estampada nos rótulos.

Perigo. O uso de agrotóxico irregular, diz a Anvisa, pode aumentar riscos à saúde que já estão associados ao produto. "Eles não são uma mercadoria qualquer, têm de obedecer a rígidos padrões de qualidade. Quando isso não ocorre, os efeitos podem ser desastrosos para a saúde, o meio ambiente e a própria agricultura", disse Agenor. Sem controle, o produto pode ter uma toxicidade em níveis intoleráveis, sem falar na possibilidade da contaminação biológica.

Não é a primeira vez que a Anvisa autua a Basf por irregularidades. Em 2010, a agência interditou milhares de litros de agrotóxicos, incluindo o Opera. Entre os problemas encontrados, estava o uso de ingredientes com prazo de validade vencido, sem data de fabricação ou validade.

Havia também dúvidas com relação ao controle de qualidade e rastreabilidade de componentes usados na formulação dos defensivos agrícolas. O processo ainda não foi concluído.

Na Servatis, foram interditados 6 mil quilos de produtos e componentes vencidos sem identificação, além de 100 mil litros do agrotóxico Simboll, da Consagro Agroquímica, por suspeita de contaminação biológica. A Servatis não se pronunciou.

A Basf foi autuada por colocar rótulos com novas datas de fabricação e de validade em produtos reprocessados. A empresa também não apresentou análise que comprove a estabilidade do novo prazo de validade do produto.

A Anvisa autuou também as empresas Du Pont e Arysta por irregularidades na produção de agrotóxicos. Na Du Pont foram interditados 96 mil quilos de produtos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.