Ao lado de Dilma, Campos diz que não falta apoio político ao governo

Ao lado da presidente Dilma Rousseff, o governador de Pernambuco, Eduardo Campos (PSB), reforçou nesta segunda-feira seus traços nordestinos e afirmou que não tem faltado apoio de seu "conjunto político" ao Brasil e nem ao governo da petista.

Reuters

25 de março de 2013 | 14h22

Campos tem articulado com desenvoltura nos últimos meses uma possível candidatura à Presidência em 2014, o que o colocaria frente à frente com Dilma nas próximas eleições. O nome do governador, que preside o PSB, ganhou mais força depois do bom desempenho do partido nas disputas municipais, quando foram eleitos 444 prefeitos socialistas, seis deles em capitais.

A visita de Dilma a Pernambuco neste momento pode ser lida como um movimento de aproximação com um possível adversário, que tem tentado nos últimos meses atrair outros partidos aliados. A presidente também tem feito movimentos, principalmente na reforma ministerial que está em curso, para evitar perda de apoio dessas legendas em 2014.

"O nosso conjunto político não tem faltado ao Brasil e nem tem faltado apoio político ao governo de vossa excelência", disse o governador nesta segunda, durante cerimônia de inauguração de obras de combate à seca, na cidade pernambucana de Serra Talhada.

A declaração foi dada pouco antes da presidente defender a sua coalizão política e dizer que "precisamos de parceiros, precisamos que esses parceiros sejam comprometidos com esse caminho."

Campos e Dilma ressaltaram a importância das obras de enfrentamento à seca no Nordeste e, nesse contexto, o governador disse que a seca não pode servir para "dividir os pernambucanos ou brasileiros".

"Dentro de cada pernambucano, dentro de cada pernambucana existe um pouco de sertão, somos secos às vezes no trato, mas somos generosos nas horas mais difíceis, somos modestos, mas equilibrados", afirmou Campos, dizendo que uniu os sertanejos, para depois unir Pernambuco.

Segundo o governador, os pernambucanos não são dados a "afrontas", mas sim "a lutas por causas e por ideais". Contudo, "há ambiente em que a gente pode respirar o debate político e sereno, bem posto respeitoso", argumentou Campos.

"Aqui a senhora tem um governador, mas também tem um companheiro, e tem um amigo de grandes jornadas. Tenha certeza que a generosidade do povo de Pernambuco jamais vai afetar a compreensão de Brasil que todos nós temos", disse Campos.

(Por Jeferson Ribeiro, em Brasília)

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICACAMPOSDILMA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.