Jose Patricio/AE
Jose Patricio/AE

Aparecida recebe 150 mil romeiros

Santuário da Padroeira do Brasil vive dia de festa e devoção, com procissão, missas, show da cantora Joanna e do padre Antonio Maria e uma celebração dedicada às crianças

Gerson Monteiro, Especial para o Estado, APARECIDA ,

13 de outubro de 2011 | 03h06

Em clima de emoção e de fé, a cidade de Aparecida, a 180 quilômetros de São Paulo, recebeu ontem mais de 150 mil pessoas durante o feriado de Nossa Senhora Aparecida.

Desde as primeiras horas da manhã o movimento era intenso tanto no acesso da Rodovia Presidente Dutra quanto nas diversas alas do Santuário Nacional.

A festa para a Padroeira teve início antes de o dia amanhecer. Uma procissão de velas saiu da Basílica Nova até o local onde a imagem foi encontrada em outubro de 1717, no Porto Itaguassu, no Rio Paraíba do Sul.

Durante toda a madrugada, fiéis aproveitaram para rezar e fazer pedidos a Nossa Senhora. A fila para passar diante da imagem chegou a demorar pouco mais de uma hora.

Uma missa festiva dedicada às crianças teve as participações de um coral infantil e uma cantora mirim. O Dia da Criança também foi lembrado na celebração principal.

A missa solene, aberta pela cantora Joanna cantando Padroeira, levou os fiéis às lágrimas. A cantora teve um câncer de mama e afirma que sua devoção a Nossa Senhora só aumentou após a cura. A Basílica ficou lotada, tanto na área interna quanto externa. Muitos romeiros acompanharam a celebração por telões instalados na esplanada.

O governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, participou da leitura e foi acompanhado por sua esposa, Lu Alckmin, e o ex-governador José Serra (SP).

Políticos da região do Vale do Paraíba também aproveitaram para aparecer na área reservada às autoridades.

Consagração. No período da tarde os fiéis acompanharam a consagração a Nossa Senhora e um show com o padre Antônio Maria, que esteve presente em toda a festividade desde a manhã.

Na celebração solene, Immaculée Ilibagiza, sobrevivente do genocídio de Ruanda em 1994, na África, foi saudada pelo cardeal arcebispo de Aparecida, d. Raymundo Damasceno Assis. "Fiquei impressionada com a veneração à Nossa Senhora. Impressionei-me tanto que às vezes me escondia", comentou a jovem que perdeu a maior parte de sua família no massacre e ficou no altar durante a missa.

Com estacionamento lotado durante todo o dia, foi difícil encontrar alguma vaga depois das 6 horas - no espaço cabem 5 mil veículos, entre ônibus, caminhões e carros de passeio.

Durante todo o dia, milhares de fiéis lotaram os refeitórios e o centro comercial, localizado na área de estacionamento da Basílica. Segundo o Santuário Nacional, 1.300 funcionários trabalharam para acolher as 150 mil pessoas que passaram pelo maior templo mariano do mundo somente no feriado de 12 de outubro. A previsão é que 600 mil romeiros visitem a Padroeira até o próximo domingo. Cerca de 11 milhões de pessoas devem passar pelo local neste ano. O maior movimento em um único dia foi registrado em 14 de novembro 2010, quando 245 mil pessoas visitaram o templo.

Segundo d. Raymundo Damasceno Assis, no mesmo dia em que brasileiros celebraram a festa de Nossa Senhora Aparecida, cópias autênticas da santa também foram entronizadas em terras americanas, nas cidades de Washington e Nova York.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.