Apesar de medidas, caça a rinoceronte aumenta na África do Sul

País abriga três quartos da população; número recorde de 668 animais foram mortos em 2012 para extração do chifre.

BBC Brasil, BBC

17 de janeiro de 2013 | 07h51

Caça ao rinoceronte

Números divulgados pelo governo da África do Sul indicam que a caça ilegal aos rinocerontes teve um aumento significativo em 2012 no país.

Apenas em 2012, 668 rinocerontes foram mortos para a extração dos chifres, um número recorde que representa um aumento de 50% em relação a 2011. A maioria deles foi morta no Parque Nacional Kruger, a maior reserva de vida selvagem do país.

A África do Sul abriga cerca de três quartos da população de rinocerontes do mundo, que chega a um total de 28 mil animais.

Em 2007, apenas 13 deles foram mortos por caçadores, mas, desde então, a caça aumentou.

Especialistas afirmam que a demanda crescente pelos chifres do animal na Ásia está por trás do aumento da caça ao animal.

Em países como a China e o Vietnã muitos acreditam que o pó do chifre do rinoceronte tem poderes medicinais e pode até ser usado no tratamento do câncer. O quilo de chifre pode ser vendido por até US$ 65 mil.

"Rinocerontes estão sendo mortos, seus chifres arrancados e os animais são deixados para sangrar até morrer, tudo pelo uso fútil dos chifres como cura para ressaca", afirmou Sabri Zain, da TRAFFIC, uma rede de monitoramento de vida selvagem.

O governo da África do Sul tentou combater o aumento das mortes de rinocerontes usando soldados e aeronaves para vigilância.

Mas os números de 2012 indicam que as medidas não surtiram efeito e apenas no início de 2013 já foram registradas as mortes de cinco animais. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.