Após ataque norte-coreano, China faz chamado por paz e diálogo

A China expressou preocupação com as informações sobre o ataque norte-coreano a uma ilha sul-coreana nesta terça-feira, no último incidente na escalada de tensões na península que faz fronteira com o território chinês.

REUTERS

23 de novembro de 2010 | 07h43

Um porta-voz do Ministério de Relações Exteriores da China, Hong Lei, disse em entrevista à imprensa que os dois lados da península deveriam "fazer mais para contribuir para a paz" e que é imperativo o retorno às conversações envolvendo seis países, com o objetivo a pôr fim ao programa nuclear da Coreia do Norte.

"Ouvimos as notícias e expressamos nossa preocupação. A situação ainda precisa ser confirmada", disse Hong, respondendo a uma pergunta sobre o ataque de artilharia desfechado pela Coreia do Norte.

A China é o único aliado expressivo da Coreia do Norte. A ajuda econômica e o apoio diplomático chinês são importantes para o isolado país comunista, cujo líder, Kim Jong-il, visitou a China duas vezes este ano para fortalecer as relações bilaterais.

(Por Michael Martina)

Tudo o que sabemos sobre:
COREIANCHINAAPELO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.