Após atentado, confrontos irrompem em cidade do deserto no Mali

Soldados do Mali apoiados por caças franceses enfrentavam neste domingo rebeldes islâmicos em Timbuktu, depois que insurgentes detonaram um carro-bomba para dar cobertura a uma investida durante a noite nessa cidade situada no deserto, disseram fontes.

Reuters

31 de março de 2013 | 10h45

A ofensiva liderada pelos franceses no Mali resultou na expulsão de grupos islamistas de seus redutos no norte do país e de bases em áreas remotas nas montanhas, mas os militantes vêm reagindo com vários ataques suicidas.

Pelo menos três soldados do Mali ficaram feridos em combates neste domingo em Timbuktu e moradores foram obrigados a se proteger dentro de casa, disse o capitão Modibo Naman Traoré, do Exército malinês. Timbuktu é um antigo entroncamento no deserto do Saara, cerca de 1.000 quilômetros ao norte da capital do país, Bamaco.

"Tudo começou depois de um atentado suicida com um carro-bomba, por volta das 22h (19h de sábado em Brasília), que serviu para distrair os militares e permitir que um grupo de jihadistas se infiltrassem na cidade de noite", disse ele. "A luta é pesada e constante. Estamos prestes a cercá-los."

Bilal Touré, um membro do comitê de crise de Timbuktu --criado depois que as autoridades retomaram em janeiro o controle da cidade, que estava em mãos de rebeldes islâmicos--, afirmou ter visto um avião francês disparar contra as posições dos insurgentes. As autoridades não disseram quantos rebeldes estavam na cidade.

O ataque reflete o desafio de garantir a segurança do Mali num momento em que a França se prepara para reduzir a sua presença militar no país e entregar o controle ao mal equipado Exército e uma força regional africana de mais de 7 mil soldados.

(Por Tiemoko Diallo)

Tudo o que sabemos sobre:
MALIFRANCACONFRONTOS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.