Após caminhada no espaço, China quer pousar na Lua

Missão Shenzhou 7, que voltou à Terra nesta 2ª-feira, foi considerda 'perfeita'

Da BBC Brasil, BBC

29 Setembro 2008 | 08h00

A China se prepara para montar uma estação espacial e aterrissar na Lua, depois de concluir a missão espacial que levou à primeira caminhada de um astronauta chinês no espaço.     Veja também: Terceira missão tripulada chinesa retorna à Terra com sucesso Astronauta chinês completa caminhada espacial  Russos ajudam China a preparar caminhada espacial  China prepara missão de astronautas com caminhada espacial O retorno da tripulação da missão espacial Shenzhou 7 à Terra pouco antes das 17h40 do horário local (06h40 da manhã em Brasília) foi "perfeito", segundo o astronauta comandante, coronel Zhai Zhigang. "Foi uma missão cheia de desafios, mas com um resultado perfeito. Estou muito orgulhoso do meu país", afirmou Zhai à imprensa estatal após aterrissar em um descampado na província da Mongólia Interior, norte da China. Durante as 68 horas em que esteve em órbita, a tripulação da Shenzhou 7 conduziu experimentos, lançou um satélite e realizou a primeira caminhada no espaço de um astronauta chinês. Na tarde de sábado, o comandante Zhai saiu do módulo espacial às 16h41 (05h40 de Brasília) para uma caminhada no espaço que durou cerca de 20 minutos, enquanto os astronautas Liu Boming e Jing Haipeng acompanhavam as manobras de dentro da cápsula espacial. Com o feito, a China se juntou à Rússia e aos Estados Unidos no seleto grupo de países que possuem tecnologia exploratória espacial capaz de permitir a sobrevivência em espaço aberto. Orgulho nacional A missão espacial foi divulgada pela imprensa chinesa com grande alarde. O canal de TV estatal CCTV fez uma cobertura especial ao vivo dedicada à missão, que despertou forte senso de orgulho nacional entre os chineses. Não por coincidência o retorno dos astronautas ocorre às vésperas das celebrações pelo dia nacional da China, 1º de outubro, data que marca o 59º aniversário da fundação da China moderna com a chegada do Partido Comunista ao poder. Reforçando a mensagem patriótica, o presidente Hu Jintao e o primeiro ministro Wen Jiabao acompanharam de perto os momentos decisivos da missão espacial. Wen estava presente na sala de comando quando os astronautas retornaram à Terra. Ele disse que a jornada foi "um novo e importante sucesso" para a nação em termos de tecnologia espacial e "uma inspiração para o povo da China". Hu Jintao, por sua vez, acompanhou o momento da caminhada espacial no sábado e teve uma conversa com os astronautas por telefone via satélite, transmitida ao vivo pela televisão. "O sucesso de vocês representa a quebra de barreiras no nosso programa espacial tripulado", disse Hu aos astronautas. "A pátria mãe e o povo agradecem vocês." Parte do sucesso da missão Shenzhou 7 se deve à cooperação com a Rússia, que cedeu a tecnologia para os trajes espaciais utilizados pelos chineses. Próximos passos Motivados pelo sucesso dessa missão, os chineses pensam agora em aterrissar na Lua, declarou o porta-voz Wang Zhaoyao, em declarações à CCTV. "Nós consideramos necessário para o nosso país fazer algo neste campo", disse. Ele afirmou que a ambição chinesa de conquistar a Lua é "muito desafiadora" e "um campo tático na alta tecnologia global". Antes de ir à Lua, porém, os chineses deverão concluir todas as duas últimas etapas do atual programa espacial que está em andamento. A primeira etapa foi enviar astronautas ao espaço. A segunda é acoplar espaçonaves para formar um laboratório e a terceira é construir uma estação espacial. As missões Shenzhou 1 a 7 já concluíram a primeira etapa do programa. As próximas missões, Shenzhou 8 e 9, deverão ajudar a montar um laboratório espacial até 2010. Depois, novas jornadas serão necessárias para construir uma estação espacial. Estimativas divulgadas pela imprensa na China estimam que o país seja capaz de chegar à Lua em 2020.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.