Após ciclone, Mianmar sofre com chuva

Fortes chuvas atingiram na terça-feiraos sobreviventes do ciclone Nargis, complicando ainda mais adistribuição de ajuda humanitária a cerca de 1,5 milhão devítimas no delta do rio Irrawaddy, no sul de Mianmar. A ajuda internacional continua chegando lentamente ao país,e é cada vez maior a pressão externa para que a junta militarbirmanesa acelere a distribuição dos mantimentos aosnecessitados. O recluso regime proíbe o acesso de estrangeirosao interior do país. "A reação do regime na Birmânia à crise tem sidoabsolutamente insensível, e quem está pagando o preço dessainsensibilidade tem sido o já tão sofrido povo birmanês", disseo primeiro-ministro australiano, Kevin Rudd, ao Parlamento. Um cargueiro militar australiano pousou em Yangon, maiorcidade de Mianmar, levando 31 toneladas de mantimentos, um diadepois de os EUA conseguirem levar seu primeiro vôo humanitáriopara o país, que Washington já descreveu como "um postoavançado da tirania". Na terça-feira, os EUA devem ser autorizados a levar maisdois vôos para Mianmar, como parte de um esforço de "construçãode confiança" com os generais birmaneses. Passados 11 dias dodesastre que deixou até 100 mil mortos e desaparecidos, acomunidade internacional ainda tenta convencer a junta aaceitar ajuda. Em todo o delta, dezenas de milhares de pessoas estãorecolhidas em mosteiros budistas, escolas e outros prédios,vindos de aldeias que já eram miseráveis antes do ciclone, quetambém provocou um maremoto. Carentes de água, comida e saneamento, eles enfrentam aameaça de epidemias como a de cólera. As fortes chuvas sópioram a situação. "Onde estou agora há mais de 10 mil desabrigados e estáchovendo forte", disse Bridget Gardener, da Cruz VermelhaInternacional, que está entre os poucos funcionáriosestrangeiros autorizados a visitar o delta. Um fluxo constante de vôos humanitários chega a Yangon, massó uma pequena parte é destinada ao delta --em parte por causada inundação, em parte por causa das restrições do governo àpresença estrangeira além de Yangon. O Programa Mundial de Alimentos da ONU disser tercapacidade para entregar menos de 20 por cento das 375toneladas diárias de alimentos que seriam necessárias.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.