Após declarações, Dior retira Sharon Stone de anúncio na China

Durante o Festival de Cannes, atriz declarou que terremoto no país foi conseqüência de 'karma desfavorável'

Da BBC Brasil, BBC

29 de maio de 2008 | 12h40

A marca de luxo francesa Christian Dior retirou a imagem de Sharon Stone de suas propagandas na China depois dos comentários da atriz sobre o terremoto em Sichuan.    Veja também: Sharon Stone define terremoto na China como 'punição divina'A atriz, de 50 anos, falou durante o Festival de Cannes que o terremoto que matou cerca de 68 mil pessoas há duas semanas foi conseqüência do "karma desfavorável", devido à forma que o governo chinês tratou a questão do Tibete. Os comentários da atriz na semana passada geraram uma onda de críticas na China, com editoriais em jornais do país e cinemas proibindo a exibição dos filmes de Sharon. Depois da polêmica, a marca Christian Dior decidiu remover a imagem da atriz de todas as suas propagandas na China, devido à rejeição dos consumidores chineses. A companhia francesa afirma que lamenta muito os comentários feitos pela atriz. A própria atriz americana já pediu desculpas pelas declarações e acrescentou que está disposta a participar das operações de ajuda às vítimas do terremoto na província de Sichuan. 'Karma' Os comentários polêmicos de Sharon Stone foram feitos em uma entrevista a uma equipe de televisão de Hong Kong. "Eu pensei 'Isto é um karma desfavorável?' Quando você não é legal, coisas ruins acontecem a você", disse. "Não estou satisfeita com a forma como os chineses estão tratando os tibetanos, pois acho que ninguém deve ser cruel com outras pessoas", afirmou a atriz na entrevista, que foi disponibilizada na internet. "E então este terremoto e todas estas coisas aconteceram e eu pensei, será karma?" Depois dos comentários, Ng See-Yuen, fundador da rede de cinemas UME Cineplex e presidente da Federação de Cineastas de Hong Kong afirmou que os comentários de Sharon foram "inapropriados". A UME tem cinemas em Pequim, Xangai, Chongqing, Hangzhou e Guangzhou, os maiores mercados urbanos de cinema da China. O jornal Beijing Times também informou que uma grande loja de departamentos de Pequim retirou as propagandas de cosméticos e roupas da marca Christian Dior, que tinham a imagem de Sharon.   BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.