Após deslizamento em Niterói, Rio já registra 182 mortes

A tragédia provocada pelas chuvas que caem no Estado do Rio ganhou contornos mais dramáticos com o deslizamento de cerca de 50 casas, na quarta-feira, no Morro do Bumba, em Niterói. O Estado registra 182 mortos, mas o número pode dobrar. Segundo os bombeiros, cerca de 200 pessoas podem estar sob os escombros do deslizamento. O prefeito de Niterói, Jorge Roberto Silveira (PDT), decretou estado de calamidade pública.

RIO, Agência Estado

08 de abril de 2010 | 23h14

As chances de encontrar sobreviventes no Morro do Bumba, no Viçoso Jardim, são remotas. Até as 23 horas desta quinta-feira (8), 17 corpos já haviam sido retirados. Mas a operação de resgate é dificultada pelas próprias características do lugar. A expectativa é de que o resgate dos corpos demore no mínimo duas semanas.

A favela cresceu ao longo dos últimos 30 anos num terreno onde há 50 anos funcionava um lixão. Foi a pior catástrofe relacionada à ocupação desordenada nesta temporada de chuvas. "Foi muito rápido. As pessoas não tiveram muito tempo para reagir. O que ocorreu foi uma avalanche", disse o subcomandante do Corpo de Bombeiros do Rio, coronel José Paulo Miranda de Queiroz.

Mais conteúdo sobre:
chuvasRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.