Após estupro, mulher fica 36 horas presa em tubulação em SP

Vítima foi encontrada por um caseiro que ouviu os gritos de socorro na região de Ferraz de Vasconcelos

Bárbara Souza, do Jornal da Tarde,

21 Novembro 2008 | 09h38

Desaparecida havia 36 horas, a estudante Regina de Sena, de 18 anos, foi encontrada na quinta-feira, 20, em uma tubulação fechada com blocos de concreto em uma fábrica desativada em um distrito industrial de Ferraz de Vasconcelos, na Grande São Paulo. Ela foi estuprada e abandonada no buraco pelo agressor na noite de terça-feira.   A jovem foi achada pelo caseiro do terreno, Anderson Santos, de 25 anos, por volta das 11 horas, quando ele fazia uma ronda pela área. Ele disse que ouviu os gritos de socorro de Regina e não conseguia descobrir de onde eles vinham. "Tinha muito entulho e pedra em cima dela. Tirei os blocos para ela respirar e chamei a polícia", disse.   Regina desapareceu na terça-feira à noite, quando voltava para casa da escola onde cursa o 3º ano do ensino médio. Por volta das 23h30, os pais desconfiaram que algo havia acontecido. "Ela chega às 23h10 todos os dias. Nesse, ela demorou", contou a mãe, a costureira Maria das Graças da Costa.   Na delegacia do Itaim Paulista, onde moram, familiares registraram boletim de ocorrência de desaparecimento na madrugada de quarta. Ao ser resgatada ontem, Regina disse a uma policial que foi abordada por um desconhecido na saída da escola. Ele a levou até uma casa abandonada em Ferraz, que faz limite com Itaim Paulista, na zona leste, e a estuprou.   Depois, segundo o relato de Regina, o criminoso amarrou os pés e as mãos da jovem, levou-a até o terreno da empresa desativada e, com um facão, teria tentando cortar seu pescoço. A arma, porém, estava sem corte. Ele deu socos na garota, obrigou-a a entrar no buraco, jogou blocos sobre ela e fechou com uma tampa de concreto. A tubulação tem 50 centímetros de diâmetro. Ontem à noite, a polícia já tinha um suspeito.   Regina foi levada ao Hospital Geral de Ferraz. Desidratada, passou por exames e seria transferida para São Paulo. Seu estado de saúde é estável.   A família espalhou cartazes com a foto de Regina e telefone para contato. Ontem de manhã, antes de a garota ser encontrada, a mãe recebeu ligação de um homem, que pediu R$ 20 mil para liberar a jovem. A polícia não informou se ele é o suspeito identificado. O caso foi registrado como extorsão mediante seqüestro, estupro e tentativa de homicídio no 1º DP de Ferraz.

Mais conteúdo sobre:
violência SP estupro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.