Após fiasco em Londres, dupla da Indonésia ganha o ouro em Jogos Asiáticos

Greysia Polii estava quase se aposentando do badminton após ser excluída dos Jogos Olímpicos de Londres por envolvimento em um escândalo de manipulação de resultados que abalou o esporte, mas a indonésia deixou a "tragédia" para trás ao conquistar a medalha de ouro nos Jogos Asiáticos.

REUTERS

28 Setembro 2014 | 17h37

Polii e a parceira Nitya Krishinda Maheswari bateram as japonesas Ayaka Takahashi e Misaki Matsutomo na final das duplas femininas no ginásio Gyeyang, em Incheon, na Coreia do Sul.

Antes, a dupla da Indonésia já havia batido, de forma surpreendente, as medalhistas de ouro em Londres, há dois anos, as chinesas Zhao Yunlei e Tian Quin.

O torneio olímpico será para sempre lembrado pela expulsão de quatro duplas femininas depois que elas tentaram perder jogos para terem seus caminhos facilitados durante a competição.

Polii e a então parceira Meiliana Jauhari acabaram expulsas, elas e duas duplas da Coreia do Sul e uma da China.

"Depois da tragédia da Olimpíada eu quase desisti do badminton", disse ela à Reuters em uma entrevista neste domingo.

"Quase desisti da minha carreira. Não queria continuar. Mas, ao mesmo tempo, pensei comigo mesmo: 'Tenho que ser forte o suficiente'."

As campeões do mundo Wang Xiaoli e Yu Yang, da China, foram acusadas por outras jogadoras de entregaram uma partida em Londres de forma a evitar o confronto com a segunda dupla mais bem ranqueada da China no mesmo lado da chave na segunda fase.

Isso desencadeou uma reação da dupla da Indonésia e das duplas coreanas, que tentaram também entregar suas partidas de forma a estragar o plano das chinesas.

O órgão máximo do badminton acabou desqualificando os times.

Dois anos depois, ninguém pode dizer que o duo indonésio não deu 100 por cento para vencer. Polii disse que seu objetivo será ganhar a medalha de ouro nas Olimpíadas, e apagar o fiasco de 2012.

"Nosso objetivo será ir para as Olimpíadas de 2016 no Rio", disse ela. "Enquanto isso, vamos continuar jogando de forma consistente e preparar para o campeonato mundial na Indonésia no ano que vem."

"Tem muita coisa por vir e temos que estar prontas para o que der e vier."

Mais conteúdo sobre:
BADMINTONINDONESIAOURO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.