Após invasão, Incra no MS pede reintegração de posse

Cerca de 400 sem-terra invadiram sede em Campo Grande e prometeram ficar no local até 2009

JOÃO NAVES DE OLIVEIRA, Agencia Estado

06 Novembro 2008 | 15h52

A procuradoria do Instituto Nacional de Colonização e Reforma Agrária (Incra), em Campo Grande, deu entrada na Justiça Federal com pedido de reintegração de posse, após a invasão de quase 400 sem-terra na sede do instituto. A ocupação aconteceu ontem, sob a alegação de que a reforma agrária não está dando certa em Mato Grosso do Sul. "Estamos prontos para atravessar 2008 aqui", disse um dos líderes, identificado como Antônio Dias. O superintendente da sede do Incra, Flodoaldo Alencar, está tentando negociar a desocupação do prédio, mas não encontra, entre os manifestantes, coordenadores do Movimento dos Trabalhadores Rurais sem-terra (MST), Central Única dos Trabalhadores Rurais, Federação dos Trabalhadores na Agricultura e Federação da Agricultura Familiar (Fetag). A líder do MST, Maria de Fátima Vieira, que está em Brasília acompanhando as negociações com a diretoria do instituto, disse que o Incra-MS tem enfrentado "diversos problemas desde a troca do superintendente". "Em 2008, a reforma agrária estagnou e nem mesmo as conquistas obtidas em 2007 se concretizaram, acarretando diversos problemas nos assentamentos e acampamentos", afirmou. Ela explicou que uma das marcas do novo administrador, que assumiu o cargo no passado, é não aplicar o dinheiro da reforma agrária que chega ao Estado. "Soube do próprio presidente do Incra, Rolf Hackbart, que os recursos estão retornando para Brasília. Um total de R$ 12 milhões destinados ao crédito de implantação de assentamentos, estão parados no Incra-MS. O Rolf, afirmou que esse dinheiro vai voltar para Brasília, além de R$ 6 milhões para infra-estrutura e R$ 2,5 milhões para assistência técnica", disse. Flodoaldo explicou que os estornos de recursos acontecem "por uma questão de rubrica". Ele citou, como exemplo, o programa Territórios da Cidadania, dizendo que as verbas devolvidas até agora são as que foram destinadas a esse programa em realizações cuja demanda não gastou todo o recurso monetário. "Se o dinheiro vem para uma finalidade, não podemos aplicá-lo em outra, temos que devolver."

Mais conteúdo sobre:
sem-terra MST Incra Mato Grosso do Sul

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.