Fábio Motta/AE
Fábio Motta/AE

Após ocupação, policiais fazem varredura em favelas cariocas

Equipe encontrou área de lazer, com piscina e churrasqueira, supostamente utilizada pelos traficantes no subúrbio do Rio

Antonio Pita - O Estado de S. Paulo ,

15 de outubro de 2012 | 12h13

Texto atualizado às 20h11.

RIO DE JANEIRO - Após a ocupação dos complexos de favelas de Manguinhos, Jacarezinho e Mandela, na zona norte do Rio, as polícias Civil e Militar realizaram varreduras nas comunidades e encontraram uma área de lazer, com piscina e churrasqueira, supostamente utilizada pelos traficantes, e um bingo clandestino. Ocupação foi feita no domingo, 14.

Ao todo, 80 máquinas caças níqueis foram destruídas. Nesta terça-feira, 16, o Batalhão de Operações Especiais (BOPE) passa a comandar a ocupação da favela do Jacarezinho, um dos principais pontos de concentração de usuários de crack.

Desde o início da ocupação, 175 usuários foram recolhidos das imediações e encaminhados a abrigos municipais. 18 eram menores, de acordo com a secretaria de Assistência Social da prefeitura. Para fugir dos acolhimentos compulsórios, alguns usuários migraram para outras favelas da zona norte, como Arará.

Em um dos pontos de concentração dos usuários, na linha férrea de Jacarezinho, a polícia localizou um local identificado como tribunal do tráfico, onde traidores e rivais eram julgados e executados. Na mesma favela, uma piscina onde os traficantes se reuniam durante comemorações foi localizada pela polícia próxima a uma vala de esgoto a céu aberto. Ao todo, durante a operação a polícia recolheu uma submetralhadora, duas granadas, três armas, cerca de 700 pacotes de maconha, quatro quilos de cocaína e dez de pasta base.

Cerca de 150 policiais participaram da ação em que dois foragidos da justiça foram presos. No final da manhã, o secretário de segurança do Rio, José Mariano Beltrame, confirmou a implantação de duas Unidades de Polícia Pacificadora (UPP). "O Bope entra no Jacarezinho e o Batalhão de Choque fica em Manguinhos para até janeiro inaugurarmos as unidades. Não é um trabalho fácil. Estou vendo hoje no Jacarezinho uma população livre para expressar o que quer, o que precisa e o que o pretende," Beltrame também confirmou a ocupação da polícia na favela do Rato Molhado, na zona norte do Rio.

Em meio às ações das polícias, as comunidades receberam uma força tarefa de serviços públicos durante todo o dia. Ao todo, 90 toneladas de lixo foram recolhidas entre domingo e esta segunda-feira no Jacarezinho e em Manguinhos. Equipes de iluminação trocaram lâmpadas quebradas e postes destruídos pelo tráfico e funcionários da secretaria de conservação realizaram operações emergenciais de recapeamento do asfalto nas principais ruas da favela.

Tudo o que sabemos sobre:
OCUPAÇÃOFAVELASRIO

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.