Após quase um mês, protesto relembra morte de Juan

A ONG Rio de Paz organiza hoje mais um protesto contra o assassinato do menino Juan de Moraes, de 11 anos. A morte do garoto, durante operação do 20º Batalha da Polícia Militar (Mesquita) na comunidade Danon, em Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense, completa um mês amanhã. Para marcar a data, 177 cartazes foram afixados no gramado do Aterro do Flamengo com a pergunta: "Quem matou Juan"?

TIAGO ROGERO, Agência Estado

19 de julho de 2011 | 08h51

Quatro militares do batalhão foram afastados pelo comandante da PM por suspeita de participação no crime. A polícia civil aguarda o resultado de laudos da perícia para decidir se pede ou não as prisões temporárias dos PMs. O corpo de Juan foi encontrado às margens de um rio na Baixada Fluminense dez dias após a operação policial. As quatro armas usadas pelos PMs no dia do sumiço do menino já foram periciadas.

Na semana passada, o juiz do 4º Tribunal do Júri de Nova Iguaçu, Marcio Alexandre Pacheco da Silva, decretou a quebra de sigilo dos dados telefônicos de mais duas linhas de policiais militares suspeitos de envolvimento na morte ou que participaram da operação. Na semana anterior, ele já havia decretado a quebra de sigilo de dez linhas. Com isso, são 12 no total, que pertencem a nove PMs.

Tudo o que sabemos sobre:
JuanmorteinvestigaçãoprotestoRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.