Reginaldo Pupo/AE
Reginaldo Pupo/AE

Após roubo em Ilhabela, Guarujá entra em alerta

Quadrilha que explodiu cinco caixas eletrônicos pode ser do município da Baixada Santista

Reginaldo Pupo, Agência Estado

09 Maio 2012 | 21h17

ILHABELA - As Polícias Civil e Federal estiveram nesta quarta-feira, 9, em Ilhabela, no litoral norte de São Paulo, para tentar identificar a quadrilha que explodiu cinco caixas de duas agências bancárias, levou R$ 226 mil e fugiu em duas lanchas. A PF entrou no caso porque um dos bancos atacados é a Caixa Econômica Federal. A Polícia Civil do Guarujá também está em alerta, já que há suspeitas de que a quadrilha seja da cidade.

Até as 20h desta quarta, nenhum criminoso foi preso ou identificado. De 25 a 30 homens armados participaram do ataque, na madrugada de terça-feira, 8. Na ação, um PM foi feito refém e um segurança teve o carro metralhado e acabou ferido por estilhaços.

A Polícia Civil informou que a lancha encontrada anteontem com malotes da Caixa (mas sem dinheiro) havia sido furtada dois meses atrás na Praia do Portinho, sul da cidade. A embarcação será periciada em São Sebastião.

Medo. Os ataques assustaram moradores e comerciantes. Um proprietário de um hotel que não quis se identificar afirmou que um casal cancelou as reservas para o próximo fim de semana por causa do crime. "Eles me disseram que ficaram horrorizados com o que viram na TV."

"Fala-se que o arquipélago tem apenas uma entrada e uma saída, que é pela balsa. Mas é a única entrada controlada. O restante da ilha não tem nenhum tipo de controle", diz o presidente do Conselho Municipal de Segurança (Conseg) de Ilhabela, Abílio Alves de Lima Junior. Para ele, é preciso ter uma força policial com reforço marítimo. "Essa possibilidade já havia sido discutida há cerca de quatro anos, mas a proposta não saiu do papel", conta.

O presidente da Associação Comercial e Empresarial de Ilhabela (Acei), Leopoldo Pedalini Neto, disse que, diante dos constantes ataques, os comerciantes estão se precavendo. "Alguns estabelecimentos estão investindo na instalação de câmeras de vigilância, contratando vigias, blindando suas vitrines."

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.