Após veto, professores se reúnem na Praça da República

Um grupo de professores orientava quem chegava ao Masp a seguir de ônibus até a Praça da República

CAROLINA FREITAS, Agencia Estado

04 de julho de 2008 | 15h10

Os professores da rede estadual de São Paulo transferiram para a Praça da República, no centro da capital paulista, a assembléia da categoria para reavaliar o movimento, marcada para esta sexta-feira, 4. A decisão foi tomada após o juiz Maury Ângelo Bottesini proibir a categoria, em greve desde o dia 16, de fazer passeata em qualquer lugar da cidade. Nas últimas três sextas-feiras os professores interromperam o trânsito na Avenida Paulista e a assembléia de hoje estava marcada, novamente, para o vão livre do Museu de Arte de São Paulo (Masp).Um grupo de professores orienta quem chegar ao Masp a seguir de ônibus até a Praça da República. Segundo a Companhia de Engenharia de Tráfego (CET), cerca de 200 pessoas estão no vão livre e uma das três faixas da Avenida Paulista no sentido da Rua da Consolação, no trecho em frente ao Masp, está ocupada por policiais.O juiz Bottesini da, 31ª Vara Cível, acolheu pedido do Ministério Público Estadual (MPE) e determinou hoje que os docentes se reunissem em uma praça, de modo a não prejudicar o trânsito em nenhum local da cidade. O juiz fixou multa de R$ 500 mil caso os professores descumpram a determinação.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.