Apostas indicam vitória de Obama na disputa democrata

Hillary Clinton ainda deve vencervárias primárias até junho, mas tem poucas chances de ser acandidata do Partido Democrata à Presidência dos EUA neste ano,a julgar pelas apostas feitas até terça-feira. No mercado de previsões Intrade, com sede em Dublin, BarackObama aparece com 86 por cento de probabilidades de ser ocandidato, contra 12,8 por cento para Hillary. O Mercado Eletrônico de Iowa, mantido pela Universidade deIowa para fins de pesquisa, dá 82,9 por cento de probabilidadespara Obama e 12,8 por cento para Hillary. No Intrade, o candidato democrata aparece como favoritopara derrotar o republicano John McCain em novembro e se tornarpresidente, por uma margem de 59,1-48,8 por cento. Na simulaçãofeita em Iowa, os democratas aparecem com 57,1 por cento dechances, contra 46,3 por cento para os republicanos. Esse tipo de mercado permite que os participantes comprem evendam contratos sobre a probabilidade de um evento futuro. Esses contratos são estruturados de modo que seu preço podeser lido como um percentual da probabilidade de tal fato.Estudos mostram que esse sistema tem uma precisão semelhante àde pesquisas de opinião. Há um mês, o favoritismo de Obama sobre Hillary era de 75por cento. Nesse período, ele enfrentou a polêmica a respeitodos sermões do seu pastor e fez um elogiado discurso sobre aquestão racial. Os apostadores do Intrade consideram que Hillary deve ser avencedora da primária da Pensilvânia em 22 de abril (66,1-32,8por cento de chance). Ela também aparece como favorita naVirgínia Ocidental, em 13 de maio (79-20,5 por cento de chancede vitória), e no Kentucky, em 20 de maio (70-30,5 por cento). Já Obama aparece como favorito em Indiana em 6 de maio(58-45 por cento de chance em comparação à rival), no Oregon em20 de maio (88-12 por cento) e em Montana em 3 de junho(82,5-17,5 por cento de probabilidade de vitória).

DAVID ALEXANDER, REUTERS

08 de abril de 2008 | 19h20

Tudo o que sabemos sobre:
EUAELEICAOOBAMAAPOSTAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.