Apreensão de táxi irregular em SP sobe 33,5% em 2008

As apreensões de táxis irregulares nas ruas da capital paulista, no ano passado, bateram o recorde dos últimos quatro anos e cresceram 33,5% em relação a 2007, segundo dados finais do Departamento de Transportes Públicos (DTP), órgão da Secretaria Municipal de Transportes responsável por fiscalizar o setor. Foram retirados de circulação, em 2008, 587 táxis irregulares, o que representou o maior número desde 2005. No ano anterior, 2007, haviam ocorrido 440 apreensões de táxis.

AE, Agencia Estado

07 de maio de 2009 | 09h06

Cerca de um terço dos táxis clandestinos apreendidos pelo DTP era de veículos chamados ?geladeiras? - carros brancos, com placas pintadas de vermelho para parecerem táxis de verdade, com luminoso e até taxímetro instalados. ?Esse tipo de carro circula mais nos bairros, geralmente à noite, e a própria fiscalização às vezes tem dificuldade para apreendê-los, porque a semelhança com o táxi autorizado é grande?, diz o presidente do Sindicato dos Taxistas, Natalício Bezerra. O taxímetro, diz ele, muitas vezes é adulterado para ?roubar? no valor da corrida, causando prejuízo ao bolso do passageiro.

As demais apreensões de 2008 foram de táxis clandestinos - veículos particulares que faziam o serviço de corridas pagas sem nenhum tipo de autorização ou carros de outros municípios que vieram a São Paulo e operavam como táxis na capital, o que é vetado pela legislação municipal. De acordo com Bezerra, os particulares oferecem serviços principalmente na porta de hotéis, na região da Avenida Paulista. ?Existe a conivência desses estabelecimentos e estamos pedindo às autoridades um aumento no valor das multas?, diz.

Em 2006, o DTP havia efetuado 281 apreensões de táxis irregulares em São Paulo. Em 2005, o número foi ainda menor: 155. A equipe responsável pelo serviço permanece a mesma: 100 fiscais. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Tudo o que sabemos sobre:
transportestaxisDTP

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.