Apresentador de TV 'mais popular' de Cuba pede asilo aos EUA

Carlos Otero comandava um dos programas de maior audiência em seu país

BBC Brasil, BBC

14 de dezembro de 2007 | 13h30

Em entrevista ao jornal americano de língua espanhola El Nuevo Herald, Otero contou que "se sentia muito feliz porque há muito tempo planejava sair de Cuba"."Não quero pedir mais permissão a ninguém para me expressar, me deslocar ao redor do mundo e fazer o que tenho vontade", disse o apresentador.Otero tinha viajado para o Canadá com a família para supostamente organizar a gravação de seu programa de fim de ano que, pelo segundo ano consecutivo, seria realizado em Toronto."Na verdade, tratou-se de uma reunião para preparar minha deserção", confessou ele ao jornal."Passei dois meses esperando que me dessem permissão para viajar com meus dois filhos até que finalmente consegui", contou. Otero ainda disse ao El Nuevo Herald que estava "cada vez mais difícil" trabalhar como comunicador em Cuba devido à "censura e à vigilância institucional". Ele disse esperar que seus filhos possam crescer "com a oportunidade de estudar o que desejam, sem ter de concordar com o sistema onde vivem". Sobre Cuba, o apresentador disse que o país "está parado no tempo" e que as pessoas estão à espera do que vai acontecer, com muita "incerteza sobre o futuro".Otero, que vai se estabelecer em Miami com a família, disse ao jornal nesta quinta-feira que já havia recebido uma proposta de emprego no canal local AmericaTeVe.Com 28 anos de carreira como apresentador e comediante, o cubano conduzia um dos programas dominicais de maior audiência no país: Carlos y Punto. A revista semanal era transmitida em horário nobre pelo canal Cubavisión.Ainda segundo o El Nuevo Herald, a notícia da deserção de Otero gerou uma "onda de reações" entre os cubanos, que comentavam com surpresa a decisão do ator.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Tudo o que sabemos sobre:
cubaapresentadordesertoreuaasilo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.