Aprovação da gestão Kassab cai de 46% para 28%

Índice da avaliação negativa da administração democrata saltou de 12% para 26%

Renato Machado, O Estadao de S.Paulo

20 de janeiro de 2010 | 00h00

A aprovação da gestão do prefeito Gilberto Kassab (DEM) teve forte queda no último ano. Dados da pesquisa Ibope apontam redução de 46% para 28% entre as pessoas que a consideram ótima/boa. Por outro lado, os que a avaliam ruim/péssima mais que dobraram, passando de 12% para 26%.

"O ano de 2009 foi bastante ruim, porque praticamente todos os indicadores de qualidade de vida baixaram. E isso tem reflexo na avaliação do poder público", diz um dos coordenadores do Movimento Nossa São Paulo, Oded Grajew. Ele acrescenta que os indicadores deveriam ser usados pela administração municipal para que haja uma ampliação do Plano de Metas da Prefeitura, atendendo às necessidades da população. "As metas deveriam ser distribuídas por região e não de maneira geral."

Os realizadores da pesquisa, no entanto, ressaltam que as entrevistas (1.512) foram feitas em um momento turbulento da administração, após o anúncio de revisão nos valores do IPTU e em meio a grandes enchentes.

Outros órgãos da administração municipal também apresentaram forte rejeição. Caiu de 40% para 25% o número dos que consideram as subprefeituras ótimas/boas. Mas os piores índices foram atribuídos à Câmara Municipal, que acaba de completar seu primeiro ano de legislatura. Passaram de 23% para 12% os que a avaliam positivamente e, por outro lado, de 26% para 50% os que a classificam como ruim/péssima. E 74% dos entrevistados dizem não confiar na instituição.

Presente ao evento em que houve a apresentação dos dados, o vereador Cláudio Fonseca (PPS) afirma que a má avaliação da Câmara Municipal tem relação com os escândalos envolvendo outras esferas do legislativo. "As pessoas costumam relacionar os escândalos e atribuir ao legislativo como um todo, sem diferenciar as esferas. Tudo o que houve no Senado arranhou a imagem dos legislativos todos", diz.

Após ser questionado sobre a cassação de 13 vereadores pela Justiça Eleitoral no ano passado, Fonseca reconheceu que a imagem do legislativo paulistano também está prejudicada. "Esse foi o grande ponto de descrédito da Câmara Municipal no ano passado. Mas há de se diferenciar a instituição Câmara dos próprios vereadores, não se pode generalizar", completa.

Por outro lado, o Corpo de Bombeiros se manteve como a instituição mais bem avaliada, com 94% dos entrevistados afirmando confiar na corporação. A Igreja e o governo federal foram consideradas as instituições que mais contribuem para a qualidade de vida da população.

Leia o resultado completo da avaliação de São Paulo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.