Aprovada inseminação com sêmen de morto

SOCIEDADE

, O Estado de S.Paulo

26 de maio de 2010 | 00h00

A professora Kátia Lenerneier, de 38 anos, conseguiu, no dia 17, uma liminar determinando que a Clínica e Laboratório de Reprodução Humana e Andrologia (Androlab), de Curitiba, realize inseminação artificial com o sêmen congelado de seu marido, Roberto Jefferson Niels, de 33, morto em fevereiro, vítima de câncer. O laboratório havia se recusado a fazer a intervenção, pois no termo assinado na coleta não estava expressa a destinação do sêmen.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.