Aquecimento na Ásia será pior que um tsunami, diz especialista

Efeitos da mudança climática afetarão principalmente a produção de arroz, base alimentar da população

Efe,

24 de setembro de 2007 | 09h08

O aquecimento global está a caminho de causar uma catástrofe econômica e ambiental na região da Ásia-Pacífico, onde suas conseqüências podem ser mais destrutivas que as de um tsunami, segundo Smith Dharmasaroja, diretor do Centro Nacional de Prevenção de Desastres da Tailândia. "O aquecimento global está rápido demais e trará efeitos devastadores em breve. É algo que me preocupa muito mais que os tsunamis, já que pode causar uma catástrofe econômica no país e na região", disse o físico, em entrevista à Efe. Os efeitos da mudança climática, segundo o especialista, serão visíveis na agricultura da região, e especialmente na produção de arroz, base da alimentação da população. "Os agricultores não podem mais programar suas colheitas em temporada de chuva. Cada vez chove menos e aumenta o número de insetos que devoram as colheitas. Também não haverá água potável suficiente no verão e diminuirá a produção de arroz e outros produtos básicos. As pessoas não terão o que comer", alertou. Dharmasaroja disse que a alteração climática causará também um maior número de casos de câncer de pele "devido aos raios ultravioleta do sol, cada vez mais fortes". O físico alertou que em 15 anos Bangcoc estará em parte submersa na água. O seu solo afunda cerca de 10 centímetros por ano devido à falta de diques para conter as inundações. Dharmasaroja, que há 14 anos alertou para a possibilidade de ondas gigantes como as de 2004, não descarta que um fenômeno parecido. "Esperamos um grande terremoto na área, num prazo imprevisível por enquanto. O tsunami de 2004 criou uma série de fendas muito grandes que ativaram as falhas sísmicas em toda a região", explicou. Dharmasaroja participa atualmente na organização de simulações de tsunami no sudoeste da Tailândia.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.