Arábia Saudita proíbe venda de rosas para Dia dos Namorados

Autoridades afirmam que a celebração não muçulmana é incompatível com o islamismo.

Da BBC Brasil, BBC

11 de fevereiro de 2008 | 16h40

A polícia religiosa da Arábia Saudita proibiu a venda de presentes para o Dia dos Namorados, inclusive rosas vermelhas, em todas as lojas da capital do país, Riad, de acordo com informações do jornal saudita Saudi Gazette.O Dia dos Namorados é comemorado no dia 14 de fevereiro na maior parte dos países. No Brasil, a data é celebrada em 12 de junho.O diário afirma que policiais sauditas visitaram o comércio de Riad no sábado e alertaram os comerciantes para remover das prateleiras os artigos vermelhos como rosas e embrulhos, cuja venda é comum antes do Dia dos Namorados.Segundo o jornal, as autoridades sauditas consideram a data, assim como outras celebrações que não fazem parte do calendário muçulmano, uma comemoração incompatível com o islamismo.De acordo com o Saudi Gazette, muitos sauditas viajam para localidades próximas como Dubai ou Barein para celebrar a data.Mercado negroO jornal afirma que o sábado foi o último dia em que a venda das rosas vermelhas ainda era permitida antes do Dia dos Namorados. Segundo a reportagem, todos os anos os policiais visitam o comércio dias antes da data para emitir os alertas sobre a proibição.A reportagem do Saudi Gazette afirma ainda que a proibição gera um mercado negro de rosas vermelhas no país, e o preço das flores aumenta em até seis vezes no dia da comemoração. Segundo o jornal, algumas pessoas fazem pedidos de flores semanas antes do Dia dos Namorados para escapar das proibições. "Em alguns casos, entregamos as flores no meio da noite ou cedo pela manhã para evitar suspeitas", disse um florista ao jornal. As autoridades sauditas impõem uma legislação islâmica rígida, que regula de forma severa a sociabilidade das mulheres e a convivência com os homens.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.