Argentina anuncia pagamento de dívida com Clube de Paris

Cristina Kirchner surpreende analistas ao anunciar quitação total de US$ 6,7 bilhões.

Marcia Carmo, BBC

02 de setembro de 2008 | 14h57

A presidente da Argentina, Cristina Kirchner, anunciou nesta terça-feira o pagamento total da dívida do país com o Clube de Paris, no valor de US$ 6,7 bilhões - dinheiro das reservas do Banco Central."Quero anunciar o pagamento da nossa dívida com o Clube de Paris", disse Cristina, sob aplausos. "Uma dívida que começou pelo menos em 1983, quando nasceu nossa democracia." O anúncio foi feito em uma cerimônia pelo Dia da Indústria, na Casa Rosada, e surpreendeu empresários e políticos presentes no encontro, além de economistas e formadores de opinião do país. O pagamento da dívida estava suspenso desde 2001.A decisão da presidente ocorre em meio a um novo fantasma sobre a capacidade da Argentina de pagar suas dívidas.DesconfiançaSegundo analistas, o país e seus industriais têm ainda mais dificuldades de conseguir crédito no mercado internacional devido ao default de 2001 e a medidas do governo, como a de não reconhecer a alta da inflação, o que tem contribuído para o aumento da desconfiança na Argentina.Há duas semanas, os títulos da dívida do país despencaram no mercado internacional e a agência classificadora de riscos Standard & Poor's (S&P) reduziu a nota do país, sinalizando dificuldades da Argentina para cumprir seus compromissos financeiros.A queda dos títulos e a decisão da S&P ocorreram depois que a Argentina vendeu mais um lote de títulos públicos ao governo do presidente da Venezuela, Hugo Chávez. O líder venezuelano, então, colocou os papéis no mercado internacional com taxas de juros de 15%, acima do esperado, contribuindo para a desconfiança na Argentina. Hoje, a Venezuela é o único credor do país.Imagem"O pagamento desta dívida pode melhorar a imagem da Argentina junto aos países desenvolvidos, que integram o Clube de Paris", disse o comentarista econômico da emissora de TV TN (Todo Notícias), Marcelo Bonelli."Hoje, temos relação com o Brasil e a Venezuela, mas isoladamente com o restante do mundo", acrescentou Bonelli.O economista Manuel Solanet, especializado em finanças, afirmou que o pagamento da dívida era uma medida necessária "porque já não havia mais créditos nem para o setor público e nem para o setor privado". "Mas pagar a dívida com reservas do Banco Central não é positivo", disse Solanet. "O governo poderia ter apelado por uma reestruturação, mas não pelo uso de reservas que são da autoridade monetária, e não do governo.""Sem acordo com o Clube de Paris, a Argentina não tinha mais crédito para os projetos de infra-estrutura que vinha anunciando", afirmou o economista Orlando Ferreres, da consultoria Ferreres e Associados."E para chegar a este acordo dependia de aval do FMI (Fundo Monetário Internacional), o que o governo não queria", completou.FMIEm seu discurso, Cristina lembrou que o país quitou a dívida que tinha com o FMI - medida adotada durante a gestão do seu marido, Néstor Kirchner (2003 a 2007)."Não foram dívidas contraídas nas nossas gestões, mas que estamos pagando para facilitar o desenvolvimento do país", disse a presidente.Atualmente, o Banco Central tem reservas recordes de cerca de US$ 47 bilhões, que cairão para em torno de US$ 41 bilhões com o pagamento ao Clube de Paris.A presidente do Banco Nación da Argentina, Mercedes Marcó del Pont, disse que o pagamento vale a pena, mesmo com reservas do BC."Com esse pagamento, os industriais terão acesso a créditos que estavam fechados", disse Del Pont. "O uso de reservas para o pagamento desta dívida abrirá a possibilidade de novos financiamentos para a Argentina e seus industriais."BrasilEm seu pronunciamento, a presidente argentina disse que o setor industrial vem crescendo no país. "Desde 2003 a fins de 2007, surgiram na Argentina mais de 10 mil indústrias", afirmou. "A mesma quantidade de industriais que tinham desaparecido (na crise) entre 1998 e 2002."Cristina Kirchner disse ainda que assinará um acordo com o BNDES (Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social), na próxima segunda-feira, no Brasil, onde estará a convite do presidente Luiz Inácio Lula da Silva.Segundo a presidente, haverá uma linha de crédito de US$ 200 milhões para estimular as exportações da Argentina para o Brasil e outros países.Hoje, a Argentina acumula vários meses de déficit na balança comercial com o mercado brasileiro."Ainda temos que ver como será esse acordo com o BNDES", disse o presidente da UIA (União Industrial Argentina), Juan Ascurain. "Ainda faltam os detalhes, que não conhecemos."BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.