Argentina aprova lei da ortotanásia

Pacientes (ou seus parentes) agora poderão limitar esforços médicos em casos de doenças terminais

Ariel Palacios, O Estado de S.Paulo

10 Maio 2012 | 03h02

O Senado argentino aprovou ontem o projeto que transforma em lei a possibilidade de pacientes (ou seus parentes) limitarem os esforços médicos terapêuticos em casos de doenças terminais. No total, 55 senadores votaram a favor da aprovação da lei e 17, contra. O paciente poderá rejeitar procedimentos médicos que somente prolonguem um estado incurável. Além disso, poderá rejeitar cirurgias ou reanimações em um quadro irreversível. Caso o paciente não consiga se expressar, a decisão poderá ser tomada pelo cônjuge, filhos, pais ou outros parentes. 

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.