Arqueólogos encontram câmara onde Calígula foi assassinado

Câmara fica sob a residência construída pelo Imperador Tibério e reformada por Nero, no Monte Palatino

EFE,

17 de outubro de 2008 | 15h01

grupo de arqueólogos do departamento de Cultura da Prefeitura de Roma encontrou a entrada de uma cripta situada sob o domus - casa particular da época do Império Romano - do imperador Tibério no Monte Palatino, e que marca o local exato no qual, segundo o historiador Suetônio, Calígula foi assassinado por sua guarda pessoal.   Esta informação foi dada pela chefe da equipe que realizou a descoberta, Maria Antonietta Tomei, em uma reunião com um pequeno número de especialistas reunidos no Ministério de Cultura da Itália, informa o jornal Corriere della Sera.   A entrada foi construída pelo imperador Cláudio, sucessor de Calígula, e permanecia sepultada sob os porões da casa construída sobre ela na época de Nero, sucessor de Cláudio.   Até agora, segundo o jornal de Milão, se conhecia a escada pela qual os guardas pretorianos - incitados por alguns senadores a matar Calígula - desceram à câmara para assassinarem o imperador, mas não o lugar exato onde ele foi morto, segundo os historiadores Suetônio e Flávio Josefo.   Os arqueólogos também descobriram várias esculturas, o que aumenta o número de tesouros encontrados na antiga casa do imperador Tibério, que então ocupava um terço do Palatino.

Tudo o que sabemos sobre:
históriaarqueologiaromacalígula

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.