Arqueólogos estudam tumba de "super-homem" escravo

Arqueólogos nos Estados Unidos começam a escavar os túmulos de 200 anos de uma família de escravos, na esperança de separara fato de ficção na lenda do "Paul Bunyan" negro. No folclore da América do Norte, "Paul Bunyan" era um gigante lenhador, de força sobre-humana. A escavação tem as bênçãos de mais de uma dezena de descendentes de Venture Smith, que esperam que a ciência venha a validar os feitos fabulosos atribuídos ao escravo lenhador.Com altura 1,85 metro (segundo ele próprio) e pesando mais de1 30 kg (de acordo com a lenda), Smith usava, segundo o folclore, um machado de quatro quilos e cortava mais de 20 metros cúbicos de madeira ao dia. Sua biografia o descreve carregando um barril de melaço no ombro por 3 km e erguendo centenas de quilos de sal.A vida de Smith se tornou uma das primeiras narrativas de escravos, feita em 1798, e é vista por estudiosos como o Amis importantes desses trabalhos. Mas biografias de escravos - principalmente as narradas a escritores, como a vida se Smith - às vezes eram exageradas. Cientistas esperam que uma análise dos restos de Smith permita determinar sua altura e peso, dieta e ferimentos sofridos durante uma vida de trabalho. DNA pode ajudar a determinar em que parte da África ele nasceu, e corroborar a narrativa de sua vida lá. "Isso pode determinar que não são fábulas ou contos", diz Frank Warmsley Sr, que aos 85 anos é, acredita-se, o mais velho descendente vivo de Smith. "São verdades. Ele era um grande homem".Historiadores e estudiosos da Literatura dizem que a escavação representa uma oportunidade notável para realizar uma das Amis completas reconstituições da vida dos escravos nos Estados Unidos. "De todos os primeiros escritores negros, o dele é o único túmulo que podemos identificar", disse Vincent Carretta, professor de Inglês da Universidade de Maryland. Além disso, há documentos: Smith morreu como homem livre e proprietário de terras, portanto existem registros para suplementar as narrativas.

Agencia Estado,

28 de julho de 2006 | 16h41

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.