''Arte torna os humanos mais humanos''

ENTREVISTA - Evelyn Ioschpe, presidente do Instituto Arte na Escola

Mariana Mandelli, O Estado de S.Paulo

30 de maio de 2011 | 00h00

Para a pesquisadora Evelyn Ioschpe, o ensino de artes no Brasil, apesar de ter potencial de melhorar o desempenho geral dos alunos, ainda enfrenta alguns entraves. Leia a seguir a entrevista.

Ter aulas de artes na escola ajuda o aluno nas outras disciplinas?

Por legislação, o ensino de artes é obrigatório no Brasil. Mas ainda temos pouquíssimas pesquisas sobre esse assunto (o impacto no desempenho) aqui. O que conhecemos se refere às pesquisas feitas nos Estados Unidos, que já diagnosticaram que as aulas de artes previnem evasão e fixam o aluno na escola. E isso é muito importante, porque a evasão escolar custa bilhões por ano aos sistemas educacionais de diversas partes do mundo.

Por que estudar artes pode impactar no desempenho global do estudante?

Porque as artes ajudam na organização do texto, no repertório de outros conteúdos, no raciocínio espacial, na capacidade de compreender assuntos diversos, nas habilidades de leitura e matemática, nos valores de cidadania. E também dá, ao aluno, mais comprometimento, produtividade, autoconfiança e vontade de assumir riscos. O aluno passa a compreender melhor os diferentes conceitos que existem nas mais diversas disciplinas e conteúdos que ele teve, tem e terá em sala de aula. Dessa forma, o ensino de artes pode até aumentar o interesse e o gosto pelos estudos.

Em que sentido as artes trazem lições de cidadania à escola?

A arte consegue trabalhar com a criatividade e a sensibilidade das crianças, despertando isso nelas. Costumo repetir uma frase que resume bem toda essa ideia: a arte torna os humanos mais humanos.

Como você analisa a atual situação do ensino de artes no Brasil? Quais são os principais obstáculos?

Os últimos dados sobre educação mostram que as áreas onde mais faltam professores são nas disciplinas de física e artes. É uma questão urgente. As políticas públicas precisam contemplar isso. Precisamos formar mais e melhor esses professores que saem para enfrentar as salas de aula todos os anos. Eles chegam com dificuldades para lidar com os alunos e despreparados para entrar em sala.

QUEM É

Evelyn Berg Ioschpe é socióloga, jornalista e presidente do Instituto Arte na Escola.

Envolveu-se com pesquisas e projetos voltados para educação e terceiro setor. Foi presidente do Grupo de Institutos, Fundações e Empresas (Gife).

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.