Artesã de 63 anos é considerada patrimônio vivo

A comunidade do Muquém é conhecida também pelo artesanato de barro. Dona Irineia Nunes da Silva, de 63 anos, é uma das artesãs que se destacam na rica produção local. Considerada patrimônio vivo de Alagoas pela Secretaria Estadual da Cultura, mestra Irineia se esforça para passar aos mais jovens sua arte, mas enfrenta o desinteresse da comunidade. "Sou aposentada, mas vivo com o dinheiro que vem das minhas peças", revela.

Ricardo Rodrigues, O Estado de S.Paulo

31 de dezembro de 2010 | 00h00

Irineia afirma que o dom para transformar barro em arte "vem de Deus", mas a tradição de fabricar potes é de família. "Isso é coisa que já vem da minha tataravó", conta. "Hoje sou reconhecida pelo Brasil afora, tem até peça minha espalhada em vários países."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.