Artista usa strip poker para criticar economia dos EUA

Zefreu Throwell organizou partida de sete dias em galeria de Nova York.

BBC Brasil, BBC

21 de novembro de 2011 | 15h49

O artista visual americano Zefrey Throwell escolheu uma forma inusitada de criticar a condução da política econômica dos Estados Unidos.

Ele organizou uma partida pública de strip poker, o jogo de cartas em que, a cada rodada os perdedores tiram uma peça de roupa, em uma galeria de Nova York.

O jogo durou sete dias e pôde ser acompanhado da rua pelos passantes.

"O jogo é uma crítica moderna à forma como os Estados Unidos funcionam. Cada um, de situações econômicas diferentes, deve jogar pelas mesmas regras, o que considero ser uma situação parecida com o que acontece nos Estados Unidos", disse o artista.

Throwell afirma que, o primeiro choque é o de ver pessoas nuas em uma vitrine.

Segundos depois as pessoas perguntam o que está acontecendo, e aí o artista pode passar sua mensagem.

Atores e prisão

Em agosto deste ano, Throwell causou polêmica com uma outra performance, envolvendo 50 atores nus em Wall Street.

"Eu tive a ideia depois que minha mãe se aposentou. Três dias depois da aposentadoria, o mercado quebrou e ela perdeu quase todas as economias. Ela se sentiu vítima de uma trapaça", afirmou o artista.

Throwell pesquisou quais eram as profissões mais comuns em Wall Street e designou cada ator a interpretar uma dessas profissões.

Em uma manhã, eles saíram juntos de um trem e começaram a representar seus papeis.

No meio disso, começaram a tirar as roupas e depois se vestiram novamente. Três deles foram presos.

A performance ocorreu quase dois meses antes do protesto "Ocupem Wall Street". Throwell foi chamado para ser uma espécie de consultor do movimento.

Ele trabalha com esculturas e também está fazendo um filme. O artista afirma que apenas 10% de seu trabalho envolve nudez, que ele vê como uma forma de chamar a atenção das pessoas. BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.