Artistas homenageiam Millôr Fernandes em velório

Talento do escritor e desenhista é lembrado por colegas, familiares e admiradores em cerimônia no Rio

ANTONIO PITA / RIO, O Estado de S.Paulo

30 Março 2012 | 03h07

O corpo do jornalista, escritor e cartunista Millôr Fernandes, morto na terça-feira aos 88 anos, foi cremado às 15 horas de ontem no crematório da Santa Casa, no cemitério São Francisco Xavier, no Caju, zona portuária do Rio. A cerimônia foi restrita a amigos e familiares, que não informaram o destino das cinzas. Antes, vários artistas foram ao velório para se despedir de Millôr.

Debilitado desde fevereiro de 2011, quando sofreu um acidente vascular cerebral, o escritor morreu em decorrência da falência múltipla dos órgãos.

"Se juntar os grandes frasistas europeus e bater em um liquidificador, não dá meio copo de um Millôr", reverenciou o jornalista Ruy Castro. "Não havia um dia em que uma frase sua não iluminasse o que estivesse acontecendo de obscuro no Brasil e no mundo."

Marcelo Madureira, um dos criadores do programa Casseta & Planeta Urgente, da TV Globo, disse que "a geração que fez O Pasquim não era de humoristas, era de pensadores com bom humor. Não vejo ninguém com estofo perto dele". Seu colega Hubert ressaltou que Millôr "foi o sujeito que mais e melhor exerceu a liberdade de expressão".

"Ele ensinou que o humor pode ser uma forma de ataque, mas nunca deve ser usado para humilhar ninguém", disse Ivan Fernandes, filho de Millôr, que deixou também uma filha, Paula, e neto, Gabriel, e a mulher, Wanda.

"É como perder Pelé, Garrincha e (o baterista) Wilson das Neves de uma só vez", comparou o cineasta Walter Salles. A jornalista Cora Rónai, que teve um relacionamento de 30 anos com o escritor, revelou o lado conquistador de Millôr. "Era um sedutor nato. Quando o conheci, havia um consórcio de mulheres atrás dele. Era impossível conhecê-lo e não se apaixonar", disse.

A atriz Marília Pêra lembrou o lado humano do cartunista e a ajuda que recebeu durante a ditadura militar. "Ele me apoiou publicamente quando isso era politicamente incorreto. Ele não tinha time de futebol, religião ou partido político, era um homem livre."

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.