Assange deve falar na sacada da embaixada equatoriana em Londres

Em meio ao impasse entre o Equador e a Grã-Bretanha sobre seu futuro, o fundador do WikiLeaks, Julian Assange, se preparava neste domingo para dar uma declaração na sacada da embaixada equatoriana em Londres, onde ele está escondido para evitar ser preso pela polícia posicionada diante do prédio, em Londres.

ALESSANDRA PRENTICE E KAROLIN SCHA, Reuters

19 de agosto de 2012 | 10h36

O Equador concedeu asilo político a Asange, ex-hacker que irritou os Estados Unidos e aliados ao usar o website do WikiLeaks para divulgar centenas de milhares de documentos norte-americanos diplomáticos e militares secretos, em 2010.

O WikiLeaks havia informado que Assange faria uma declaração diante da embaixada, levantando especulações de que ele poderia ser preso pela polícia britânica posicionada diante do edifício de tijolos vermelhos, no opulento bairro londrino de Knightsbridge.

Mas na manhã deste domingo era possível ver um trabalhador da embaixada removendo uma porta que dá para a pequena sacada no canto da embaixada, num indício de que Assange iria falar naquele espaço, mantendo-se assim a salvo da polícia.

"Não posso entrar em detalhes sobre isso por razões de segurança", disse um porta-voz do WikiLeaks quando lhe perguntaram como Assange fará a declaração.

Assange é procurado na Suécia para prestar esclarecimentos sobre acusações de estupro e assédio sexual. A Grã-Bretanha diz que não lhe dará um salvo-conduto para deixar seu refúgio na embaixada equatoriana, a qual tem status diplomático.

Assange, um australiano de 41 anos, se refugiou na embaixada em junho, depois de ter esgotado todas as possibilidades de recurso na Justiça britânica contra a extradição para a Suécia. Ele teme que a Suécia possa depois entregá-lo para os Estados Unidos, onde considera que poderia ser processado e preso por um longo período.

Um helicóptero da polícia circulava sobre a embaixada enquanto cem policiais estavam posicionados diante do prédio na manhã deste domingo.

A porta de acesso foi removida da sacada, sobre a qual está a bandeira equatoriana, no que pareciam ser preparativos para a apresentação de Assange.

A sacada provavelmente será considerada parte da Embaixada, impedindo, portanto sua prisão pela polícia britânica

(Reportagem adicional de Morag MacKinnon em Sydney)

Tudo o que sabemos sobre:
ASSANGEFALASACADA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.